abadiaemfoco

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

A história secreta do Ano-Novo


A sensação é poderosa. No dia 31 de dezembro você sabe que um ano zero-quilômetro vai tomar o lugar do velho, que já deu tudo o que tinha que dar. Hora de todo mundo se reunir para ver fogo no céu, fazer oferenda para Iamanjá, pular 7 ondinhas, abraçar qualquer estranho que estiver por perto. É a maior festa da humanidade. A grande celebração ao ciclo da vida, que agora recomeça.

Mas espera um pouco. Que ciclo? Que recomeço? A geometria da vida é implacavelmente reta: você fica mais velho a cada virada de ano e pronto. Não acontece nada de sobrenatural na meia-noite do dia 1º. Concorda? Se você pensou "concordo", provavelmente está mentindo. Para si mesmo, até. A ilusão de que as viradas de ano significam algo - algo grande e bom - é universal. E é graças a ela que você está aqui, vivo.

Isso porque cada um de nós descende de alguém que sobreviveu à maior crise econômica da história. A única que teve potencial para riscar a humanidade da face da Terra. Ela aconteceu há milhares de anos, quando a única coisa que nós conhecíamos como trabalho era caçar. Às vésperas de 11000 a.C., o modo de vida dos caçadores estava no auge. O homem, àquela altura, tinha uma arma com a qual nenhum outro predador contava: a religião. Não exatamente aquilo que vem à nossa cabeça quando pensamos em religião, mas algo realmente abstrato: a ideia de acreditar que existe alguma coisa maior, além da vida. Isso é um instinto básico da nossa mente. E por ser algo comum a todos ele tornava as tribos mais coesas em torno dos ritos espirituais e divindidades que cada uma criava. Agora, unidos, cada vez mais numerosos e habilidosos, os Homo sapiens tinham virado os maiores predadores que a Terra já vira. Era um momento de euforia. Só que, como toda euforia, essa também era irracional.

A caça indiscriminada tinha diminuído a quantidade de animais selvagens disponíveis por aí. Para piorar, um miniaquecimento global fez rarear presas das boas, como bisões e mamutes (nota: daquela vez o aquecimento não foi culpa nossa, era só o fim de mais uma Era Glacial). O ponto é que a escassez de proteína animal colocou em xeque o modo de vida dos nossos avós caçadores.

Isso não aconteceu de uma tacada só no planeta todo, note bem. Naqueles dias a vida era em tribos de 100, 150 pessoas que, quando entravam em contato umas com as outras, era para guerrear. Cada uma viveu uma escassez a seu tempo. E foi mais de uma. Só que, olhando daqui de longe, a junção desses problemas esparsos pode ser vista como uma grande crise global.

Mas e para sair dessa crise? Bom, a solução foi parecida com a de hoje. O que os Bancos Centrais fizeram em 2009 foi imprimir dinheiro. Em 11000 a.C. decidiram imprimir outra coisa: comida. Na terra. Cultivar sementes e esperá-las crescer era o jeito de conseguir as calorias que a caça não dava mais.

Só que aí veio uma surpresa: essa técnica, a agricultura, permitia sustentar de 10 a 100 vezes mais pessoas no mesmo espaço físico. Os que optaram por esse caminho cresceram e se multiplicaram. Mas eles só conseguiram isso porque inventaram um novo deus:o calendário.

No culto da passagem dos dias esperando as sementes darem fruto, a humanidade descobriu um ótimo método para saber as épocas certas de plantar: observar a posição das estrelas e a trajetória do Sol ao longo do ano. Fazer a leitura do céu era tão essencial para a agricultura, que povos de todos os cantos do mundo aprenderam isso mais hora menos hora. E assim dominaram algo que parecia sobrenatural: os ciclos do tempo. Mas pragmatismo científico nunca foi o nosso forte como espécie. E é por isso que o céu foi tratado como divindade. Só o fato de você saber seu signo já se trata de uma herança dessa época - as 12 constelações do zodíaco são nada mais que os conjuntos de estrelas mais usados para marcar as estações do ano. 

É esse mesmo impulso de divinizar as coisas que levou à felicidade instintiva de se entregar a rituais como pular 7 ondas. É esse impulso que faz a vida parecer feita de ciclos. As colheitas é que são de fato cíclicas. Ao divinizá-las, nossos ancestrais imprimiram na cultura humana a ideia de que a própria vida se renova a cada ano. E festejar essas renovações era fundamental para que continuássemos vivos. Olha só. O Ano-Novo é uma das festas para marcar o auge do frio no hemisfério norte - a outra é o Natal. Na ausência de um instinto biológico tão forte quanto o das formigas para acumular comida para o inverno, a sensação de que um evento superimportante estava para acontecer bem no meio da estação fria fazia nossos ancestrais agir exatamente como elas, economizando para ter banquetes na época de fome. E cada geração transmitiu para suas crianças que aquele era o momento mais especial do ano. Era mesmo. E ainda é. Trata-se do momento em que comemoramos a sobrevivência da espécie humana. Pelo menos até a próxima grande crise chegar. Ou ela já chegou?
(da revista superinteressante)
por Alexandre Versignassi e Rodrigo Rezende

Pompéu na mídia

(Cortesia do Blog do Experidião Porto)
Tiago Campos cuja família é de Pompéu, ele é Bisneto de Joaquim Afonso e de Xisto Capos, sobrinho de Levi Campos ex Prefeito de Pompéu
Foram anunciados na noite desta terça-feira (24) os premiados da 46ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que teve "Exilados do Vulcão" e "O Mestre e o Divino" como principais vencedores, nas categorias Melhor longa ficção e Melhor longa documentário, respectivamente.
"Exilados do Vulcão", de Paula Gaitán, foi premiado em R$ 250 mil do total de R$ 700 mil da premiação oficial. "O Mestre e o Divino", de Tiago Campos, ficará com R$100 mil.
O festival exibiu um total de 30 filmes, divididos em curtas de documentário, longas de documentário, curtas de animação, curtas de ficção e longas de ficção.
O júri popular premiou "Os Pobres Diabos", de Rosemberg Cariry, como Melhor filme de longa metragem e "Faroeste - Um Autêntico Western", de Wesley Rodrigues, como Melhor filme de curta metragem.

TIAGO CAMPOS 


Nascido em Belo Horizonte, em 1982, filha de Katia Campos, onde viveu até os 15 anos de idade, mudou-se para Brasília onde começou graduação em antropologia pela UNB. Concluiu a graduação em 2008 com monografia sobre antropologia visual compartilhada. Juntamente com Ernesto de Carvalho e Francisco Nogueira criou a Zumbayllu, um coletivo de produção cinematográfica, onde dirigiu o documentário "No Palácio da Rainha".

Inspirados pela vídeo-carta "Das crianças Ikpeng para o mundo", das oficinas do Vídeo nas Aldeias, Tiago e Ernesto realizaram uma oficina de vídeo para um grupo de meninos de rua em Brasília, que gerou o filme "Procurando Aroldo".

Desde 2006, trabalha com o Vídeo nas Aldeias, dando oficinas de realização, de edição (Ashaninka, Guarani, Kisedje, Xavante), e sobretudo editando e finalizando filmes. Em 2009 finalizou seu primeiro filme em parceria com Divino Tserewahú chamado "Mulheres Xavante semnome" de 56 minutos e que integra o DVD Xavante da Coleção Cineastas 

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Feliz Ano Novo

O ano de 2013 se fecha com saldo positivo para o blog abadiaemfoco. A aceitação do conteúdo e a participação dos internautas foram excepcionais e mostram que as coisas da "Badia" realmente são boas.
De janeiro a dezembro estivemos sempre atentos às mazelas da cidade, às coisas boas feitas pelo poder público, às fotos, às piadas, aos fatos referentes à polícia e à política; enfim ficamos sempre de olho e informando aos nossos visitantes virtuais.
A cidade permanece em festa e esperamos que o ano que vem possamos sempre estar unidos em torno de um ideal: a felicidade!
Um Feliz Ano Novo a todos!

sábado, 28 de dezembro de 2013

Piadinha besta...Redação do Final do Ano



Em "Abadia", numa certa época, onde as crianças faziam lindas redações, a professora de uma escola primária em Ibitira mandou que os seus brilhantes alunos escrevessem uma redação de Final de Ano, onde fossem tratados os seguintes temas:
1. Política
2. Sexo
3. Religião
4. Mistério
Quem terminasse estaria dispensado e poderia voltar para casa já de férias. Passados míseros segundos, Geriowaldo levanta a mão e diz que terminou. A professora sem acreditar pede que leia a sua redação. Ele se levanta, pega a folha de papel, coça a garganta e diz:

- Mandaram o prefeito tomar no borogodó. Meu Deus! Quem terá sido?





As 10 resoluções de ano novo mais populares por aí

Resoluções para dois mil e...
Ano termina, ano começa e as pessoas se jogam nas listinhas (ou listonas) de resoluções pros próximos 365 dias: coisas a mudar, coisas a fazer, coisas a parar de fazer, coisas possíveis e impossíveis. Boa parte delas, convenhamos, improvável: nem precisa de ciência para saber que a gente acaba não colocando em prática vários dos itens que entram na seleção de “novidades” para o novo ano. Alguns, seja lá qual for a desculpa, ficam para o próximo; outros, nunca saem do “quem sabe um dia?”. Mesmo assim, o pessoal do site 43things.com abriu uma pesquisa – na qual já palpitaram mais de oito mil pessoas – para compilar as resoluções de ano novo mais popularesentre a galera. Até agora (a pesquisa continua aberta, então você pode passar lá também e votar), o top 10 está assim:
1. Perder peso (1.470 votos)
2. Comer, beber, aprender ou tentar algo novo (999 votos)
3. Guardar dinheiro (909 votos)
4. Ser feliz (890 votos)
5. Definir uma meta atlética acessível, tipo correr 5 ou 10 km (822 votos)
6. Se apaixonar (695 votos)
7. Tirar fotos em todos os dias do ano (659 votos)
8. Arranjar um emprego (652 votos)
9. Ler mais (620 votos)
10. Parar de fumar (452 pessoas)
E aí, algum destes itens está entre as suas resoluções? Senão, o que entrou na sua lista?
 (Revista superinteressante)

Vamos ficar de olho


(Do Estado de Minas - Portal UAI)
Com a proximidade das eleições para escolha de presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais, marcadas para o próximo dia 5 de outubro, pessoas que ocupam cargos públicos passam a ter que seguir regras estipuladas pela Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97). Pelas regras eleitorais, a partir do dia 1º de janeiro fica proibida, por exemplo, a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios pelos gestores de órgãos da administração pública.

Os repasses só podem ocorrer nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais que já estão autorizados em lei e em execução orçamentária no exercício anterior. Nestas situações, representantes do Ministério Público Eleitoral poderão acompanhar os gastos e distribuições.

As entidades e organizações vinculadas ou mantidas por candidatos também ficam impedidas de executar programas sociais, e neste caso, a proibição se estende inclusive para os programas autorizados em lei ou previstas no orçamento do exercício anterior.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio, explicou que a medida é uma forma de garantir o equilíbrio da disputa eleitoral. O hall de ações proibidas aumenta ainda mais à medida em que as votações se aproximam. A partir de 8 de abril, por exemplo, agentes públicos não podem rever salários pagos aos servidores públicos. A revisão só pode ocorrer dentro da margem de recomposição de perdas do ano.

Três meses antes do início do processo eleitoral, a partir do dia 5 de julho, fica proibido o uso de dinheiro público para contratação de shows artísticos em inaugurações e o comparecimento de qualquer candidato a inaugurações de obras públicas. Também não é permitido o pronunciamento em cadeia de rádio e de televisão, fora do horário eleitoral gratuito. Mas o pronunciamento pode ocorrer se houver uma situação considerada urgente e relevante pela Justiça ou tratar de situações características das funções de governo.

Qualquer nomeação e admissão de pessoas ou a demissão de funcionários sem justa causa também fica proibida a partir desta época. A mesma regra vale para os casos de suspensão ou readaptação de vantagens salariais ou de cargos e para qualquer ações que possa ser considerada um dificultador da função ocupada pelo trabalhador público.

Os funcionários de órgãos governamentais também não podem ser removidos, transferidos ou exonerados nesse período. A medida tem que ser obedecida até a posse dos eleitos. A única exceção à regra é para os casos de nomeação ou exoneração de cargos em comissão ou dispensa de funções de confiança, nomeações para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos tribunais ou conselhos de contas e dos órgãos da Presidência da República. A nomeação de candidatos aprovados em concursos públicos homologados até 5 de julho de 2014 também fica mantida.

Os agentes públicos que ocupam cargos em disputa na eleição também não podem autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais e estaduais, ou das entidades da administração indireta. A restrição só pode ser ignorada quando houver caso de grave e urgente necessidade pública reconhecida pela Justiça Eleitoral. O impedimento também não atinge propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado.

A fiscalização dessas ações é feita pelos partidos políticos e pelo Ministério Público. O eleitor pode procurar representantes dessas entidades para denunciar qualquer irregularidade. Os agentes públicos que descumprirem as regras serão punidos com multa e podem ter o registro ou o diploma cassados.

Abaeté tinha e tem base!!!!!Momento nostalgia especial



No momento nostalgia deste sábado, que antecede o Ano Novo, vamos nos reportar para os anos 90. Época em que os Anjos do Inferno eram  sucesso na noite martinho-campense e formavam um dos blocos caricatos mais badalados da cidade. Porém nem tudo era felicidade. Às vezes tínhamos problemas (como todo mundo) e saíamos para respirar novos ares.
Assim, numa revoada, a turma foi para a vizinha Abaeté para dançar e se divertir naquela comunidade tão hospitaleira e tão cheia de gente bonita. Lá chegando fomos para os principais points (se não me falha a memória): Barzinho da rodoviária, Apogeu, Clube Abaeté....Foi tudo 100% e por lá mesmo passamos a noite ( na porta da Igreja), pode?
E para relembrar a época e também nossa querida vizinha Abaeté, vamos de volta ao passado trazendo dois lindos presentes para você:


Agora a nacional


sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Reflexão da sexta-feira/Perguntas



Quantas vezes você andava na rua e sentiu um perfume e lembrou de alguém que gosta muito?


Quantas vezes você olhou para uma paisagem em uma foto, e não se imaginou lá com alguém... 
Quantas vezes você estava do lado de alguém, e sua cabeça não estava ali? 
Alguma vez você já se arrependeu de algo que falou dois segundos depois de ter falado? 
Você deve ter visto que aquele filme, que vocês dois viram juntos no cinema, vai passar na TV... 
E você gelou porque o bom daquele momento já passou... 
E aquela música que você não gosta de ouvir porque lembra algo ou alguém que você quer esquecer mas não consegue? 
Não teve aquele dia em que tudo deu errado, mas que no finzinho aconteceu algo maravilhoso? 
E aquele dia em que tudo deu certo, exceto pelo final que estragou tudo? 
Você já chorou por que lembrou de alguém que amava e não pôde dizer isso para essa pessoa? 
Você já reencontrou um grande amor do passado e viu que ele mudou? 
Para essas perguntas existem muitas respostas... 
Mas o importante sobre elas não é a resposta em si... 
Mas sim o sentimento... 
Todos nós amamos, erramos ou julgamos mal... 
Todos nós já fizemos uma coisa quando o coração mandava fazer outra... 
Então, qual a moral disso tudo? 
Nem tudo sai como planejamos portanto, uma coisa é certa... 
Não continue pensando em suas fraquezas e erros, faça tudo que puder para ser feliz hoje! 
Não deite com mágoas no coração. 
Não durma sem ao menos fazer uma pessoa feliz! 
E comece com você mesmo!!!

(Martha Medeiros)



quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Dia da lembrança

Hoje é comemorado o dia da lembrança. A lembrança faz parte de nossa vida como o ar e a água. Pois todos os acontecimentos passados se tronam lembranças, boas ou ruins. Aquele almoço de Natal, aquela festa de formatura, aquele batizado do afilhado, aquela data de início de namoro, etc. Tudo fica registrado em nossa mente.
Neste dia de lembrança dê um alô para aquela pessoa que você gosta. Pois nascemos para a felicidade.
Feliz dia da lembrança a todos.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Feliz Natal



A todos os internautas e amigos do abadiaemfoco um Feliz Natal e que o aniversário do Menino Jesus seja um momento familiar e de muita oração para que possamos entrar com o pé direito no novo ano. Parabéns à grande família martinho-campense

Recado de Recados de Natal para Facebook

Salmo 68/Refletindo


1. Ao mestre de canto. Segundo a melodia: Os lírios.
2. Salvai-me, ó Deus, porque as águas me vão submergir.
3. Estou imerso num abismo de lodo, no qual não há onde firmar o pé. Vim a dar em águas profundas, encobrem-me as ondas.
4. Já cansado de tanto gritar, enrouqueceu-me a garganta. Finaram-se-me os olhos, enquanto espero meu Deus.
5. Mais numerosos que os cabelos de minha cabeça são os que me detestam sem razão. São mais fortes que meus ossos os meus injustos inimigos. Porventura posso restituir o que não roubei?
6. Vós conheceis, ó Deus, a minha insipiência, e minhas faltas não vos são ocultas.
7. Os que esperam em vós, ó Senhor, Senhor dos exércitos, por minha causa não sejam confundidos. Que os que vos procuram, ó Deus de Israel, não tenham de que se envergonhar por minha causa,
8. pois foi por vós que eu sofri afrontas, cobrindo-se-me o rosto de confusão.
9. Tornei-me um estranho para meus irmãos, um desconhecido para os filhos de minha mãe.
10. É que o zelo de vossa casa me consumiu, e os insultos dos que vos ultrajam caíram sobre mim.
11. Por mortificar minha alma com jejuns, só recebi ultrajes.
12. Por trocar minhas roupas por um saco, tornei-me ludíbrio deles.
13. Falam de mim os que se assentam às portas da cidade, escarnecem-me os que bebem vinho.
14. Minha oração, porém, sobe até vós, Senhor, na hora de vossa misericórdia, ó Deus. Na vossa imensa bondade, escutai-me, segundo a fidelidade de vosso socorro.
15. Tirai-me do lodo, para que não me afunde. Livrai-me dos que me detestam, salvai-me das águas profundas.
16. Não me deixeis submergir nas muitas águas, nem me devore o abismo. Nem se feche sobre mim a boca do poço.
17. Ouvi-me, Senhor, pois que vossa bondade é compassiva; em nome de vossa misericórdia, voltai-vos para mim.
18. Não escondais ao vosso servo a vista de vossa face; atendei-me depressa, pois estou muito atormentado.
19. Aproximai-vos de minha alma, livrai-me de meus inimigos.
20. Bem vedes minha vergonha, confusão e ignomínia. Ante vossos olhos estão os que me perseguem:
21. seus ultrajes abateram meu coração e desfaleci. Esperei em vão quem tivesse compaixão de mim, quem me consolasse, e não encontrei.
22. Puseram fel no meu alimento, na minha sede deram-me vinagre para beber.
23. Torne-se a sua mesa um laço para eles, e uma armadilha para os seus amigos.
24. Que seus olhos se escureçam para não mais ver, que seus passos sejam sempre vacilantes.
25. Despejai sobre eles a vossa cólera, e os atinja o fogo de vossa ira.
26. Seja devastada a sua morada, não haja quem habite em suas tendas,
27. porque perseguiram aquele a quem atingistes, e aumentaram a dor daquele a quem feristes.
28. Deixai-os acumular falta sobre falta, e jamais sejam por vós reconhecidos como justos.
29. Sejam riscados do livro dos vivos, e não se inscrevam os seus nomes entre os justos.
30. Eu, porém, miserável e sofredor, seja protegido, ó Deus, pelo vosso auxílio.
31. Cantarei um cântico de louvor ao nome do Senhor, e o glorificarei com um hino de gratidão.
32. E isto a Deus será mais agradável que um touro, do que um novilho com chifres e unhas.
33. Ó vós, humildes, olhai e alegrai-vos; vós que buscais a Deus, reanime-se o vosso coração,
34. porque o Senhor ouve os necessitados, e seu povo cativo não despreza.
35. Louvem-no os céus e a terra, os mares e tudo o que neles se move.
36. Sim, Deus salvará Sião e reconstruirá as cidades de Judá; para aí hão de voltar e a possuirão.
37. A linhagem de seus servos a receberá em herança, e os que amam o seu nome aí fixarão sua morada.


segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Você pode...


Começar o dia sem cafeína nem tranquilizantes.
Comer, dia após dia, a mesma comida sem se queixar.
Entender quando existe tensão ao seu redor e evitar o perigo.
Ser capaz de ficar indiferente diante da alta do dólar e da queda da bolsa.
Ser capaz de compreender quando todos estão muito ocupados para lhe atender.
Não ligar para a política.
Aceitar a crítica.
Receber uma punição e não guardar mágoas.
Acalmar sua tensão sem precisar de auxílio médico.
Dormir tranquilamente a qualquer hora, em qualquer lugar.
Relaxar ao final do dia.
Desfrutar da carícia de uma mão querida em sua cabeça.
Então, com certeza...

Você é o cachorro da casa!

Mazelas o ano todo



Um ano difícil para os martinho-campenses em se tratando de administração pública. As ruas esburacadas que não recebem nem terra; alagamentos em Ibitira, falta de água em alguns povoados, tentativa de acabar com cargos de professor e por aí vai...Mas a solução está perto. Precisamos nos unir e cobrar mais de nossos vereadores para que os mesmos cobrem do poder executivo as melhorias que o município tanto necessita. Independentemente de siglas políticas e afinidades apadrinhadas, precisamos de uma só voz para, juntos, alavancarmos o desenvolvimento de nossa querida "Badia".
Nós, do abadiaemfoco, sabemos que não é fácil administrar uma prefeitura como a de Martinho Campos, mas também sabemos que os serviços básicos precisam ser  ofertados aos habitantes e visitantes. Fazer o simples, às vezes, é o melhor negócio.
No próximo ano teremos eleições para Presidente, Senador, Deputados...e nossas lideranças (vereadores e poder executivo) irão novamente até nossas casas pedirem o apoio para seus candidatos. Vamos abrir o olho e fazer valer nosso voto. Martinho Campos precisa melhorar.
Parabéns pelo pouco que foi feito este ano.



sábado, 21 de dezembro de 2013

Muitos casamentos começaram ali...

Conversava sobre saudades com uma amiga e então recordamos daquelas árvores redondas da praça da matriz. Você se lembra? Pois é! Hoje não existem mais. Porém, naquela época as tais árvores serviam para esconder os namorados sentados nos bancos da praça. E o engraçado é que tinha uma parte da praça que era reservada aos pombinhos, onde as referidas plantas se tornavam paredes para que os casais pudessem trocar ideias. Muitos casamentos começaram ali! 
Por isso hoje recordaremos duas lindas melodias, uma internacional e outra brasileira em homenagem ao nosso maior ídolo brega Reginaldo Rossi que faleceu esta semana.


Adeus ao maior ídolo do brega nacional...


E, antigamente, em uma escola da "Badia"


A professora Sebastiana, da Escola da Comunidade Nossa Senhora de Abadia, há alguns anos atrás, achou que os alunos já estavam bem grandinhos e os mandou cada um fazer uma redação sobre o tema sexo ou assunto relacionado. No dia seguinte, cada aluno leu a sua redação:
A da Mariazinha era sobre métodos contraceptivos.
A do Gerson "falava" da masturbação.
A da Ana Lúcia escreveu sobre rituais sexuais antigos.
E chegou a vez do Waldim (filho do Geriowaldo):
— Então Waldim, você fez a redação que eu pedi?
— Fiz sim, professora!
— Então, leia sua redação!
E o Waldim começou a ler alto:
"Era uma vez no pampa gaúcho, há muitos, muitos anos. No relógio da igreja batiam 18h. Nuvens de poeira arrastavam-se pela cidade semi-deserta. O Sol já ofuscava o horizonte e tingia as nuvens de tons vermelhos. De súbito, recortou-se a silhueta de um cavaleiro. Lentamente, foi-se aproximando da cidade... Ao chegar à entrada, desmontou. O silêncio pesado foi perturbado pelo tilintar das esporas.
O cavaleiro chamava- se Malaquias! Vestia-se todo de preto, à exceção do lenço vermelho que trazia ao pescoço e da fivela de prata que segurava os dois revólveres na cintura. O cavalo, companheiro de muitas andanças, dirigiu-se hesitante para uma poça de água... PUM!
O velho cavalo caiu morto com um buraco na testa. O cheiro da pólvora vinha do revólver que já tinha voltado para o coldre de Malaquias: Malaquias não gostava de cavalos desobedientes! Malaquias dirigiu-se para o bar. Quando estava subindo os três degraus, um mendigo que ali estava, tocou na perna de Malaquias e pediu uma esmola... PUM! PUM! O esmoleiro esvaiu-se em sangue: Malaquias não gostava que lhe tocassem!
Malaquias entrou no bar. Foi até o balcão, e pediu uma cerveja. O homem serviu-lhe a cerveja. Malaquias provou e fez uma careta PUM! PUM! PUM! Malaquias não gostava de cervejas mornas e detestava homens de bar relapsos. Outros cavaleiros que ali estavam olharam surpresos para Malaquias. PUM! PUM! PUM! PUM!
Ninguém sequer conseguiu reagir. Malaquias era rápido no gatilho: Malaquias não gostava de ser o centro das atenções! Saiu do bar... Deslocou-se até o outro lado da cidade para comprar um cavalo.
Passou por ele um grupo de crianças a brincar e a correr, levantando uma nuvem de poeira... PUM! PUM! PUM! PUM! PUM! PUM! PUM!
Desta vez os dois revólveres foram empunhados: Malaquias não gostava de poeira e além disso as crianças faziam muito barulho! Comprou o cavalo, e quando pagou, o vendedor enganou-se no troco... PUM! PUM! PUM!
Malaquias não gostava que o enganassem no troco!Montou no novo cavalo e saiu da cidade. Mais uma vez a sua silhueta recortou-se no horizonte, desta vez com o sol já quase recolhido.
Todos aqueles mortos no chão. Até o silêncio era pesado. FIM"
Waldim sentou-se. A turma estava petrificada!
A professora chocada pergunta:
— Mas... Mas... Waldim... O que esta composição tem a ver com sexo?
Waldim, com as mãos nos bolsos, responde:
— O Malaquias era foda!

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Reflexão da sexta-feira/Romaria

É de sonho e de pó
O destino de um só
Feito eu perdido
Em pensamentos
Sobre o meu cavalo


É de laço e de nó
De jibeira o jiló
Dessa vida
Cumprida a só

Sou caipira, pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida 

O meu pai foi peão
Minha mãe solidão
Meus irmãos
Perderam-se na vida
À custa de aventuras

Descasei, joguei
Investi, desisti
Se há sorte
Eu não sei, nunca vi

Sou caipira, Pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida 

Me disseram, porém
Que eu viesse aqui
Prá pedir de
Romaria e prece
Paz nos desaventos

Como eu não sei rezar
Só queria mostrar
Meu olhar, meu olhar
Meu olhar

Sou caipira, pirapora
Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda
O trem da minha vida 
(Elis Regina)

Piadinha, de novo?kkkkkk

Numa certa época do passado, um prefeito da pequena e pacata Abadia estava fazendo um de seus famosos discursos, tendo em vista a escassez de dinheiro e os problemas da cidade:
— E a partir de agora teremos de fazer mais sacrifícios!
Diz alguém na multidão:
— Trabalharemos o dobro!
— E temos de entender que haverá menos salários e menos conforto!
Diz a mesma voz:
— Trabalharemos o triplo!
— E as dificuldades vão aumentar!
Completa a mesma voz:
— Trabalharemos o quádruplo!
O prefeito então pergunta ao chefe de segurança:
— Quem é esse sujeito que vai trabalhar tanto?
— O coveiro, meu comandante.

Criminosos buscam agora as pequenas cidades, mas a polícia está em cima!

(Cortesia do blog do Experidião Porto)
Dois assaltos à agências dos Correios foram registrados nesta quinta-feira (19) na região Centro-Oeste de Minas. A primeira ocorrência foi em Dores do Indaiá, no início da manhã, antes da abertura do estabelecimento. Segundo informações repassadas pela Polícia Militar (PM) cinco suspeitos armados, entre eles dois adolescentes de 17 e 15 anos, renderam os funcionários, fizeram ameaças e exigiram a entrega de produtos que seriam postados, além de dinheiro, acessórios e celulares.
Os funcionários foram obrigados a deitar no chão, sendo que a gerente chegou a receber chutes dos criminosos. A chegada da polícia impediu que o cofre da agência fosse arrombado. Os militares conseguiram entrar no local que estava trancado, enquanto os criminosos ainda permaneciam lá dentro. A quadrilha tentou fugir, mas três criminosos foram presos dentro da agência. Uma arma e uma réplica foram localizadas.
Os outros dois suspeitos foram encontrados em um matagal com os objetos e o dinheiro. Tudo que havia sido levado foi recuperado, segundo a polícia, inclusive um carro usado pela quadrilha que havia sido roubado em Belo Horizonte. Os suspeitos que são maiores, tem idade de 18,19 e 20 anos.
Quartel Geral 
Em Quartel Geral , a ação de criminosos foi no início da tarde, por volta de 12h, no Centro da cidade. Segundo informações da Polícia Militar, enquanto um adolescente de 17 anos entrou armado na agência dos Correios e anunciou o assalto, um comparsa aguardou a cerca de 300 metros. Eles fugiram em uma moto levando cerca de mil reais. Ninguém foi rendido durante a ação.
Um policial militar, que estava de folga e em trajes civis, seguiu os suspeitos até uma estrada rural, mas acabou perdendo-os de vista. Ele acionou reforços e de posse de informações conseguiram localizar o suspeito que ajudou na fuga. O adolescente responsável pela retirada do dinheiro da agência, que já é conhecido no meio policial, continua foragido. Um outro adolescente que emprestou a moto usada na fuga, também deve ser ouvido pela Polícia Civil.
  •  

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O sonho acabou



O vento venceu o melhor das Américas. Não por que o vento fosse mais forte, mas sim pelo fato do Alvinegro das Gerais jogar como se fosse amistoso uma partida importante. Isso mesmo meus amigos, o Galo perdeu por achar que seria fácil. Mas do outro lado tinha um time muito afoito e com muita vontade de ganhar, empurrado pela torcida e jogando como se fosse a última partida de suas vidas.
A torcida preta e branca até que fez seu papel. Lotou o estádio e encantou os marroquinos com o hino nacional do Galo. Todavia, dentro de campo o vento prevaleceu e fomos surpreendidos pela boa equipe do Raja.
Agora é lutar para ficar , pelo menos, em terceiro lugar. Assim poderemos voltar de cabeça erguida e trabalhar para que no próximo ano tenhamos novamente a chance de chegar ao topo do mundo.
Parabéns Galo Doido, sabemos que poderia ser melhor, mas também sabemos que temos uma torcida apaixonada e brilhante que sempre estará contigo. 
O sonho acabou, mas  noites virão e novamente sonharemos! Que venha 2014, estaremos prontos! 

Calendário 2014/Primeira mão

calendário 2014

SÉTIMO BATALHÃO RECEBE NOVAS VIATURAS PARA REFORÇAR O POLICIAMENTO


             No dia dezesseis de dezembro durante solenidade na Praça Cívica da Cidade Administrativa, Bairro Serra Verde, em Belo Horizonte, foram entregues pelo Governo do Estado dezenas de viaturas a diversas Unidades da Polícia Militar de Minas Gerais para reforçar o policiamento e possibilitar um melhor atendimento à sociedade. Ao Sétimo Batalhão foram entregues mais dezesseis viaturas, sendo dez Fiat Uno Way destinadas uma para as cidades de Moema, Pedra do Indaiá, Japaraíba, Córrego Dantas, Dores do Indaiá, Quartel Geral, Serra da Saudade, Cedro do Abaeté, Paineiras e Biquinhas; quatro Mitsubishi/ L 200 para as atividades da Patrulha Rural, sendo duas para Bom Despacho, e uma para as cidades de Abaeté e Lagoa da Prata; um Fiat/Ducato destinada à Base Comunitária Móvel que ainda compõe de uma motocicleta Honda/Broz e duas bicicletas, na cidade de Bom Despacho. As viaturas já estão sendo disponibilizadas para os respectivos destinos para atuarem no policiamento.
Com isso nossa PM ficará mais atuante na região e trará mais segurança à nossa população. Parabéns ao governo estadual pela iniciativa. O abadiaemfoco reconhece o bom trabalho na área de segurança pública.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Mau gosto...

Não sou seguidor de novelas e também não gosto de programas televisivos que não sejam noticiários ou ligados ao esporte. Todavia, como bom brasileiro, de vez em quando assisto a algumas produções, principalmente da Globo, no horário nobre. 
Outrora já tivemos novelas de muito bom gosto e que tratava os temas do cotidiano de maneira simples, porém objetiva. Tínhamos prazer em ficar a frente da tv.
Hoje isso está profundamente mudado. Principalmente quando se fala de telenovelas como a que está passando no horário das nove (Amor à vida).
De amor à vida não tem nada, pelo contrário, expõe coisas que degradam o ser humano e que deixa à mostra a fragilidade intelectual dos autores e diretores desta produção ridícula. 
A começar pelas cenas de sexo (quase explícito) neste horário em que muitas crianças estão junto aos pais assistindo a telinha. Não sou radical, mas essas cenas deveriam ser proibidas, pelo menos quanto ao horário.
Também vale frisar o tratamento dado à questão da homossexualidade retratado na novela de maneira leviana e, às vezes vulgar, haja vista ser um tema muito complexo e, por isso mesmo, deveria ser dado um tom mais didático e que as pessoas compreendessem mais esse universo tão presente e natural em nossa sociedade.
Tudo isso sem falar na ingenuidade de certas cenas, por exemplo: uma pessoa que é médica fica cega, não deixam um celular com ele; vai morar nos "cafundós do Judas"; ele mesmo não vai ao médico....muito "paia" como dizem os jovens.
E ainda tem o pior: o exemplo de família que é passado aos telespectadores. Um pai que trai a esposa com a secretária, rouba uma criança, tem um filho com a nora, rouba o próprio negócio. O filho se casa com uma prostituta contratada pelo pai, rouba o negócio da família...etc. Isso para mim é um absurdo e de um tremendo mau gosto. Não que eu ache que isso é impossível de acontecer. Não. O que eu penso negativo é o jeito que a trama vem sendo repassada. Precisamos de bons exemplos também, de pessoas honestas, de coisas boas. Porque, na verdade, o Brasil é uma grande novela e, por isso mesmo, devemos prezar pelo que é passado aos nossos brasileiros.
Tomara que a novela termine logo. 


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Piadinha.....rsrsrsrsrsr

Numa eleição, aqui na Badia, o então prefeito recém eleito faz o discurso de posse em plena praça:
— No ano que vem, todos os "Badienses" poderão comprar sapatos novos.
Todos aplaudem.
Uma "Bitirense" que está bem na frente do palanque levanta a perna para mostrar o sapato velho e pergunta:
— Eu vou poder comprar sapatos novos, senhor prefeito?
— Sim, minha senhora. E calcinha também.

Salmo 67/Para refletir


1. Ao mestre de canto. Salmo de Davi. Cântico.
2. Levanta-se Deus; eis que se dispersam seus inimigos, e fogem diante dele os que o odeiam.
3. Eles se dissipam como a fumaça, como a cera que se derrete ao fogo. Assim perecem os maus diante de Deus.
4. Os justos, porém, exultam e se rejubilam em sua presença, e transbordam de alegria.
5. Cantai à glória de Deus, cantai um cântico ao seu nome, abri caminho para o que em seu carro avança pelo deserto. Senhor é o seu nome, exultai em sua presença.
6. É o pai dos órfãos e o protetor das viúvas, esse Deus que habita num templo santo.
7. Aos abandonados Deus preparou uma casa, conduz os cativos à liberdade e ao bem-estar; só os rebeldes ficam num deserto ardente.
8. Ó Deus, quando saíeis à frente de vosso povo, quando avançáveis pelo deserto,
9. a terra tremia, os próprios céus rorejavam diante de vós, o monte Sinai estremecia na presença do Deus de Israel.
10. Sobre vossa herança fizestes cair generosa chuva, e restaurastes suas forças fatigadas.
11. Vosso rebanho fixou habitação numa terra que vossa bondade, ó Deus, lhe havia preparado.
12. Apenas o Senhor profere uma palavra, tornam-se numerosas as mulheres que anunciam a boa nova:
13. Fogem, fogem os reis dos exércitos; os habitantes partilham os despojos.
14. Enquanto entre os rebanhos repousáveis, as asas da pomba refulgiam como prata, e de ouro era o brilho de suas penas.
15. Quando o Todo-poderoso dispersava os reis, caía a neve sobre o Salmon.
16. Os montes de Basã são elevados, alcantilados são os montes de Basã.
17. Montes escarpados, por que invejais a montanha que Deus escolheu para morar, para nela estabelecer uma habitação eterna?
18. São milhares e milhares os carros de Deus: do Sinai vem o Senhor ao seu santuário.
19. Subindo nas alturas levastes os cativos; recebestes homens como tributos, aqueles que recusaram habitar com o Senhor Deus.
20. Bendito seja o Senhor todos os dias; Deus, nossa salvação, leva nossos fardos:
21. nosso Deus é um Deus que salva, da morte nos livra o Senhor Deus.
22. Sim, Deus parte a cabeça de seus inimigos, o crânio hirsuto do que persiste em seus pecados.
23. Dissera o Senhor: Ainda que seja de Basã, eu os farei voltar, eu os trarei presos das profundezas do mar,
24. para que banhes no sangue os teus pés, e a língua de teus cães receba dos inimigos seu quinhão.
25. Contemplam a vossa chegada, ó Deus, a entrada do meu Deus, do meu rei, no santuário;
26. Vêm na frente os cantores, atrás os tocadores de cítara; no meio, as jovens tocando tamborins.
27. Bendizei a Deus nas vossas assembleias, bendizei ao Senhor, filhos de Israel!
28. Eis Benjamim, o mais jovem, que vai na frente; depois os príncipes de Judá, com seus esquadrões; os príncipes de Zabulon, os príncipes de Neftali.
29. Mostrai, ó Deus, o vosso poder, esse poder com que atuastes em nosso favor.
30. Pelo vosso templo em Jerusalém, ofereçam-vos presentes os reis!
31. Reprimi a fera dos canaviais, a manada dos touros com os novilhos das nações pagãs. Que eles se prosternem com barras de prata. Dispersai as nações que se comprazem na guerra.
32. Aproximem-se os grandes do Egito, estenda a Etiópia suas mãos para Deus.
33. Reinos da terra, cantai à glória de Deus, cantai um cântico ao Senhor,
34. que é levado pelos céus, pelos céus eternos; eis que ele fala, sua voz é potente:
35. Reconhecei o poder de Deus! Sua majestade se estende sobre Israel, sua potência aparece nas nuvens.
36. De seu santuário, temível é o Deus de Israel; é ele que dá ao seu povo a força e o poder. Bendito seja Deus!