abadiaemfoco

terça-feira, 28 de junho de 2016

Obras na cidade


Continuando o asfaltamento das ruas da cidade e distritos, agora é a vez da Rua José Zacarias Corgozinho, rua do Asilo Vicentino, ganhar o revestimento asfáltico. Com isso o Bairro São Geraldo é beneficiado mais uma vez com os recursos.
Também em fase de complementação estão as obras das casas populares no bairro Lagoa dos Buritis.
É o Poder Público construindo para uma cidade melhor. Parabéns aos responsáveis pela obra e ao Prefeito com sua equipe. Martinho Campos agradece.

Sabedoria 14 / Reflexão

1.Outro, por sua vez, que quer navegar e se prepara para atravessar as impetuosas ondas, invoca um madeiro de pior qualidade que o navio que o leva;
2.porque o desejo do lucro inventou o navio, e uma hábil sabedoria dirigiu sua construção.
3.Mas sois vós, Pai, que o governais pela vossa Providência, porque, se abristes caminho, mesmo no mar, e uma rota segura no meio das ondas -
4.mostrando por aí que vós podeis tirar do perigo aquele que as afronta mesmo sem meios -,
5.quereis entretanto que não sejam inúteis as obras de vossa sabedoria. Por isso os homens confiam a própria vida a um pouco de madeira e atravessam em segurança as ondas num navio.
6.Assim, com efeito, quando na origem dos tempos fizestes perecer gigantes orgulhosos, a esperança do universo, refugiando-se num barco, que vossa mão governava, conservou para o mundo o germe de uma geração.
7.Porque é bendito o madeiro pelo qual se opera a justiça,
8.mas maldito é o ídolo, ele e o que o fez; este porque o formou, aquele porque, sendo corruptível, leva o nome de deus.
9.Com efeito, Deus odeia tanto o ímpio quanto sua impiedade,
10.e a obra sofrerá o mesmo castigo que o autor.
11.Este é o motivo porque também os ídolos das nações serão julgados, porque, na criação de Deus, eles se tornaram uma abominação, objetos de escândalo para os homens, e laços para os pés dos insensatos.
12.É pela idealização dos ídolos que começou a apostasia, e sua invenção foi a perda dos humanos.
13.Eles não existiam no princípio e não durarão para sempre;
14.a vaidade dos homens os introduziu no mundo. E, por causa disso, Deus decidiu a sua destruição para breve.
15.Um pai aflito por um luto prematuro, tendo mandado fazer a imagem do filho, tão cedo arrebatado, honrou, em seguida, como a um deus aquele que não passava de um morto, e transmitiu, aos seus, certos ritos secretos e cerimônias.
16.Este costume ímpio, tendo-se firmado com o tempo, foi depois observado como lei.
17.Foi também em conseqüência das ordens dos príncipes que se adoraram imagens esculpidas, porque aqueles que não podiam honrar pessoalmente, porque moravam longe deles, fizeram representar o que se achava distante, e expuseram publicamente a imagem do rei venerado, a fim de lisonjeá-lo de longe com seu zelo, como se estivesse presente.
18.Isto contribuiu ainda para o estabelecimento deste culto, mesmo entre os que não conheciam o rei; foi a ambição do artista,
19.que, talvez, querendo agradar ao soberano, deu-lhe, por sua arte, a semelhança do belo;
20.e a multidão, seduzida pelo encanto da obra, em breve tomou por deus aquele que tinham honrado como homem.
21.E isto foi uma cilada para a humanidade: os homens, sujeitando-se à lei da desgraça e da tirania, deram à pedra e à madeira o nome incomunicável.
22.Como se não bastasse terem errado acerca do conhecimento de Deus, embora passando a vida numa longa luta de ignorância, eles dão o nome de paz a um estado tão infeliz.
23.Com efeito, sacrificando seus filhos, celebrando mistérios ocultos, ou entregando-se a orgias desenfreadas de religiões exóticas,
24.eles já não guardam a honestidade nem na vida nem no casamento, mas um faz desaparecer o outro pelo ardil, ou o ultraja pelo adultério.
25.Tudo está numa confusão completa - sangue, homicídio, furto, fraude, corrupção, deslealdade, revolta, perjúrio,
26.perseguição dos bons, esquecimento dos benefícios, contaminação das almas, perversão dos sexos, instabilidade das uniões, adultérios e impudicícias -
27.porque o culto de inomináveis ídolos é o começo, a causa e o fim de todo o mal.
28.(Seus adeptos) incitam o prazer até a loucura, ou fazem vaticínios falsos, ou vivem na injustiça, ou, sem escrúpulo, juram falso,
29.porque, confiando em ídolos inanimados, esperam não ser punidos de sua má fé.
30.Contudo, o castigo os atingirá por duplo motivo: porque eles desconheceram a Deus, afeiçoando-se aos ídolos, e porque são culpados, por desprezo à santidade da religião, de ter feito juramentos enganadores.
31.Pois não é o poder dos ídolos invocados, mas o castigo reservado ao pecador, que sempre persegue as faltas dos maus.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Galo rumo ao G4


O Atlético vem de uma boa sequência de vitórias e já se aproxima do grupo dos quatro melhores colocados do Brasileirão 2016. Demorou um pouco pra esse entrosamento e o Galão da Massa deixou escapar pontos preciosos no início da competição. Agora é focar nessa ascensão positiva e brigar com unhas e dentes para chegar ao topo da tabela. O caminho é tortuoso, mas com a garra de nossa equipe e o apoio incondicional da torcida, iremos sim conseguir. Porque aqui, aqui é Galo!

domingo, 26 de junho de 2016

Mais uma do Geriowaldo

O rapaz havia acabado de fechar sua drogaria, pois já estava tarde e tinha começado uma chuva muito forte. Pouco tempo depois o Geriowaldo (herói da Badia) bêbado foi passando e bateu na porta da drogaria:
- Abra aí, senhor!
- Querida, eu não vou abrir, acabei de fechar e não veio ninguém, agora que eu fechei batem na porta - disse o rapaz para a esposa.
- Vá lá, pois se vieram aqui nesse horário e com essa chuva, só pode ser algo importante - disse a esposa.
O rapaz decide abrir a drogaria e encontra o Gê bêbado na porta todo encharcado.
- O que o senhor precisa?
E o Geriowaldo diz na maior tranquilidade:
- Eu vim me pesar.

Momento Nostalgia/Casamento na roça

Numa passagem de minha adolescência aqui na pequena e pacata Abadia, deparei-me com uma situação, digamos, meio complicada. Eu fui a "noiva" do Casamento na Roça do Forró na Praça. 
A brincadeira foi tão hilária que por muito tempo fui considerado um ator. 
O povo gostou muito e ganhamos até congratulações do prefeito da época. Foi legal pacas, como dizíamos antigamente.
E para lembrar ainda mais de nossas passagens, vamos ouvir dois sucessos antigos.

Agora a nacional


sábado, 25 de junho de 2016

Martinho Campos na mídia....negativa

Texto extraído da Internet

TCE multa prefeitos do Centro-Oeste de MG que não prestaram contas

Políticos são de Santo Antônio do Monte, Pedra do Indaiá e Martinho Campos. Pena pode chegar a bloqueio no FPM.
TCE multa prefeitos do Centro-Oeste de MG que não prestaram contas
O Tribunal de Contas de Minas Gerais (TCEMG) aplicou multas de R$ 5 mil e bloqueio de repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) a três prefeitos do Centro-Oeste de MG.
De acordo com o órgão, os políticos de Santo Antônio do Monte, Pedra do Indaiá e Martinho Campos não apresentaram documentos e informações exigidos pela Instrução Normativa 2/2015 do TCE, que estabelece diretrizes a serem observadas para a prestação de contas anuais do chefe do Executivo de exercício 2015.
A Prefeitura de Santo Antônio do Monte se posicionou em nota sobre a multa ao prefeito Edmilson Aparecido Costa (PSDB). “A multa aplicada é de responsabilidade direta e pessoal do prefeito municipal que deve desembolsar o valor devido, o que significa dizer que o tesouro municipal não terá qualquer obrigação no pagamento. Quanto à penalidade aplicada, é bom que se diga, a sanção é ao prefeito e não ao Município, decorre do atraso no envio da prestação de contas anual ao Tribunal, podendo afirmar que o envio fora do prazo ocorreu à conta de falha no sistema informatizado contratado pela Prefeitura, que não conseguiu transmitir os relatórios técnicos”, diz trecho da nota, que pode ser vista na íntegra no site da Prefeitura.
De acordo com o TCE-MG, a entrega da prestação anual de contas, referente a 2015, tinha data limite em 31 de março de 2016. Caso a multa não seja paga, o TCE-MG aciona o Ministério Público Estadual para que o órgão peça, judicialmente, a cobrança do valor. Segundo os conselheiros, a omissão inviabilizou a consolidação da Prestação de Contas Anual (PCA), e, por consequência, a emissão do parecer prévio para fins de julgamento pelo Legislativo.
O TCE-MG disse que se a documentação não for entregue até 31 de julho deste ano, o tribunal comunicará a situação ao Estado e ao Legislativo para que providências sejam tomadas. O Banco do Brasil também será informado para que haja o bloqueio do repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Explosão da Caixa e reforma do Hospital, dois lados da notícia!

É! Explodiram parte da estrutura do prédio da Caixa Econômica Federal em Martinho Campos nesta madrugada fria do dia 24, dia de São João (o Santo Festeiro). Um acontecimento trágico e infeliz que coloca nossa realidade interiorana tão perto da violência urbana.
Entretanto um fato concomitante me chamou a atenção: a propagação quase que instantânea do acontecido, via redes sociais, para todo o mundo, seja através de câmeras convencionais ou fotos de celular.
Incrível como o ser humano gosta de propagar a desgraça alheia. Parece que até sente prazer nisso. Lógico que a informação tem que ser passada, pelo bom andamento da mídia e da consciência sobre a segurança de nossa cidade , de nossas casas. Mas, fazer disso um cinema, com direito a camarote, aí já é demais. 

O mesmo valor devia ser dado a notícias boas de nossa comunidade como, por exemplo, a reforma do prédio do Hospital que vai de vento em popa e trará grandes benefícios a toda a população. Ou ainda, a reforma da área de lazer que ficou bacana demais. Ou, indo mais adiante, os serviços das Ongs e entidades filantrópicas de nossa região. Enfim, dar mais ênfase às coisas boas e somente registrar (para controle - ou crítica construtiva) as ruins.
Taí uma coisa pra se pensar!

Reflexão da sexta-feira/A mala de viagem

Conta-­se uma fábula sobre um homem que caminhava vacilante pela estrada, levando uma pedra numa mão e um tijolo na outra. Nas costas carregava um saco de terra; em volta do peito trazia vinhas penduradas. Sobre a cabeça equilibrava uma abóbora pesada.

Pelo caminho encontrou um transeunte que lhe perguntou:

– Cansado viajante, por que carrega essa pedra tão grande?

– É estranho, respondeu o viajante, mas eu nunca tinha realmente notado que a carregava.

Então, ele jogou a pedra fora e se sentiu muito melhor.

Em seguida veio outro transeunte que lhe perguntou:

– Responda -me, cansado viajante, por que carrega essa abóbora tão pesada?

– Estou contente que me tenha feito essa pergunta, disse o viajante, porque eu não tinha percebido o que estava fazendo comigo mesmo.

Então ele jogou a abóbora fora e continuou seu caminho com passos muito mais leves. Um por um, os transeuntes foram avisando-­o a respeito de suas cargas desnecessárias. E ele foi abandonando uma a uma.

Por fim, tornou-­se um homem livre e caminhou como tal.
Qual era na verdade o problema dele?
A pedra e a abóbora?

Não!
Era a falta de consciência da existência delas. Uma vez que as viu como cargas desnecessárias, livrou-se delas bem depressa e já não se sentia mais tão cansado. Esse é o problema de muitas pessoas. Elas estão carregando cargas sem perceber. Não é de se estranhar que estejam tão cansadas!

O que são algumas dessas cargas que pesam na mente de um homem e que roubam as suas energias?

– Pensamentos negativos.

– Culpar e acusar outras pessoas.

– Permitir que impressões tenebrosas descansem na mente.
– Carregar uma falsa carga de culpa por coisas que não poderiam ter evitado.
– Autopiedade.
– Acreditar que não existe saída.

Todo mundo tem o seu tipo de carga especial, que rouba energia. Quanto mais cedo começarmos a descarregá-­la, mais cedo nos sentiremos melhor e caminharemos mais levemente.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

O bicho homem e a onça Juma



O homem é um bicho animalizado, instruído pelo seio familiar e peculiarizado em suas atitudes humanas (divinas) e éticas.
A diferença dele para o animal é a razão, que triunfa sobre o instinto e mantém a raça diferenciada.
Não obstante é o homem também um ser irracional quando comete tolices e aberrações como no caso acontecido em Manaus, quando do evento da passagem da tocha por aquela cidade. A onça Juma (um belo exemplar da espécie) foi exposta ao público como símbolo da selva, no intuito de abrilhantar a festa olímpica. Porém, o bicho se assustou com a plateia e, para fugir do local, acabou sendo abatida por um militar (que agiu pura e simplesmente por instinto de defesa) com um tiro certeiro.
Foi uma aberração do bicho homem tirar o animal de seu habitat e querer mostrá-lo como uma peça de museu, numa exposição ridícula e desnecessária. Uma amostra de quão animal e irracional pode ser o ser humano.
Há, todavia, de se abrir um parênteses quanto a atuação do militar que agiu para se defender e defender os tratadores. Entretanto,  a culpa recai em quem teve essa "brilhante" ideia de expor o animal ao público.
No mais, num país assolado por uma  crise econômica e política, para que a realização deste evento. Fica a indagação ao bicho homem e à memória da onça Juma.

terça-feira, 21 de junho de 2016

E numa escola de outrora, aqui no sertão da Badia...

Três colegas de escola começam a exaltar as qualidades de seus pais durante o recreio. Em um momento da conversa, um deles diz:
— O meu pai é quem corre mais rápido. Ele é capaz de atirar uma flecha, começar a correr e ultrapassar a flecha.
— Você acha isso rápido? O meu pai é caçador. Ele consegue dar um tiro e chegar ao alvo antes da bala.
— Vocês dois não sabem o que é rapidez.
— Ah, é? O que seu pai faz?
— O meu pai é funcionário público. Ele trabalha até às 18h, mas consegue estar em casa às 16h45.

Sabedoria 13/Reflexão

1.São insensatos por natureza todos os que desconheceram a Deus, e, através dos bens visíveis, não souberam conhecer Aquele que é, nem reconhecer o Artista, considerando suas obras.

2.Tomaram o fogo, ou o vento, ou o ar agitável, ou a esfera estrelada, ou a água impetuosa, ou os astros dos céus, por deuses, regentes do mundo.

3.Se tomaram essas coisas por deuses, encantados pela sua beleza, saibam, então, quanto seu Senhor prevalece sobre elas, porque é o criador da beleza que fez estas coisas.

4.Se o que os impressionou é a sua força e o seu poder, que eles compreendam, por meio delas, que seu criador é mais forte;

5.pois é a partir da grandeza e da beleza das criaturas que, por analogia, se conhece o seu autor.

6.Contudo, estes só incorrem numa ligeira censura, porque, talvez, eles caíram no erro procurando Deus e querendo encontrá-lo:

7.vivendo entre suas obras, eles as observam com cuidado, e porque eles as consideram belas, deixam-se seduzir pelo seu aspecto.

8.Ainda uma vez, entretanto, eles não são desculpáveis,

9.porque, se eles possuíram luz suficiente para poder perscrutar a ordem do mundo, como não encontraram eles mais facilmente aquele que é seu Senhor?

10.Mas são desgraçados e esperam em mortos, aqueles que chamaram de deuses a obras de mãos humanas: o ouro, a prata, artisticamente trabalhados, figuras de animais, alguma pedra inútil, a que, outrora, certa mão deu forma.

11.Assim, um lenhador cortou e serrou uma árvore fácil de manejar. Habilmente ele lhe tirou toda a casca, e com a habilidade do seu ofício, fez dela um móvel útil para seu uso.

12.Com as sobras de seu trabalho, cozinhou comida, com que se saciou.

13.O que ainda lhe restava, não era bom para nada, não passando de madeira torcida e toda cheia de nós; contudo, ele a tomou e consagrou suas horas de lazer a talhá-la; ele a trabalhou com toda a arte que adquirira, e lhe deu a semelhança de um homem,

14.ou o aspecto de algum vil animal. Pôs-lhe vermelhão, uma demão de uma tinta encarnada, e encobriu-lhe cuidadosamente todo defeito.

15.Em seguida, preparou-lhe um nicho digno dele. e o fixou à parede, segurando-o com um prego:

16.foi por medo que caísse, que tomou este cuidado, porque sabe muito bem que ele não pode ajudar-se a si mesmo, pois não passa de uma estátua que tem necessidade de um apoio.

17.Mas quando lhe implora por seus bens, seus casamentos, seus filhos, não se envergonha de falar ao que é inanimado, e pede saúde ao que é desprezível.

18.Reclama a vida ao que é morto, e procura socorro no que é débil; e para uma viagem, invoca o que não pode andar;

19.para um lucro, um trabalho, o bom êxito de uma obra de suas mãos, pede a força ao que nem é capaz de mover as mãos.

Publicações sobre Martinho Campos



21/06
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Termo de Homologação . Processo licitatório nº 23/2016 Pregão Presencial rP nº 20/2016 . objeto: aquisição de Emulsão asfáltica rl-1C . Empresa vencedora: Emam – Emulsões e Transportes ltda . Francisco Ludovico de Medeiros – Prefeito Municipal . 

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG : Primeiro Termo aditivo ao Contrato nº 23/2015, referente ao Processo Licitatório nº 27/2015 Pregão Presencial nº 20/2015, firmado com a empresa TREIZER automação Industrial ltda - EPP . Fica prorrogado o prazo de vigência do contrato originário por mais 12 (doze) meses contados a partir de 18 de junho de 2016 . Francisco Ludovico de Medeiros - Prefeito Municipal .
 
SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE Extrato do Termo de Contrato nº 0049/2016, em conformidade com o Edital de Chamamento Público nº 0026/2016, Processo nº 0049- 0912(2015), Inexigibilidade de Licitação nº 0049(2015), que entre si celebram o EMG/SES/SUS-MG/FES e a Fundação Hospitalar Aureliano de Campos Brandão/Hospital Dr. Odilon Andrade, do município de Martinho Campos/MG. CNPJ: 16.865.909/0001-42. Objeto: Execução pela contratada de serviços hospitalares a serem prestados ao indivíduo que deles necessite, devidamente encaminhados pelos Órgãos do SUS/MG, exceto os casos de urgência e emergência que não dependerão do referido encaminhamento, conforme disposto no Plano Operativo que é parte integrante do referido Contrato. Valor estimado mensal: R$17.413,89 (dezessete mil quatrocentos e treze reais e oitenta e nove centavos) ; sendo que o valor mensal estimado de R$ 2.900,09 (dois mil e novecentos reais e nove centavos), corresponde aos serviços ambulatoriais e o valor mensal estimado de R$ 14.513,80 (quatorze mil quinhentos e treze reais e oitenta centavos), corresponde aos servi- ços hospitalares. Valor estimado Global: R$ 1.044.833,40 (um milhão e quarenta e quatro mil oitocentos e trinta e três reais e quarenta centavos). Dotação Orçamentária: 4291.10.302.183.4492.0001-339039- 22.1. Fonte: Recursos do SUS. Vigência: 60 (sessenta) meses a partir da data de sua assinatura. Assinatura: 31/05/2016. Assinam: Pela Secretaria de Estado de Saúde/SUS-MG/FES, a Sr. Roseli da Costa Oliveira, pela Fundação Hospitalar Aureliano de Campos Brandão/Hospital Dr. Odilon Andrade, do município de Martinho Campos/MG, os Srs. José Martinho Campos e Antônio Alves da Costa, como seus Representantes Legais e o Sr. Laender Lenon Corgozinho como Seu Responsável Técnico e pela Secretaria Municipal de Saúde de Martinho Campos e Gestora do SUS Municipal, a Sra. Cordélia Umbelina dos Santos Souza.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Galo fora da zona

O Atlético até que enfim conseguiu uma vitória convincente neste Brasileirão 2016. E justamente em cima da Ponte que não aguentou e ruiu.
Mas não devemos achar que estamos 100%, pois não estamos não. Muito longe, aliás, da perfeição.
O time, apesar dos nomes que tem,  continua sem esquema tático definido e muito afoito em alguns momentos do jogo. Precisa de mais consistência e também de mais entrosamento, pois alguns atletas  precisam se adaptar mais ao ritmo do Galão.
Entretanto, também se faz necessário comemorar essa vitória, pois ela nos tirou da zona e deu uma aliviada na equipe que agora, esperamos, consiga engrenar uma boa sequência de vitórias. 
Mas no Galo tem que ser sofrido, caso contrário não  é Galo!

sábado, 18 de junho de 2016

Momento Nostalgia/ Córrego do Bambé

Uma das brincadeiras mais divertidas em nossa infância aqui na Badia era, sem dúvida, a pescaria. Pescávamos quase toda semana nos rios e córregos de nosso município. Pegávamos alguns lambaris, piabas e mandis. Era sempre uma diversão extra.
Quando íamos pescar no Córrego do Bambé (sim, naquela época ele era límpido e tinha peixes) também fazíamos uma caçada às verdadeiras da região. De bodoque e vara na mão ficávamos quase todo dia à beira do Córrego do Bambé. 
Tempos bons que não hão mais de voltar, somente na memória. E para lembrar desta época mágica, vamos ouvir dois sucessos eternos.


Agora a nacional

Eleição e o contexto filosófico

A ação humana é fruto de uma escolha entre o certo e o errado, e entre o que é bom e o que é mal. O indivíduo procura se basear em parâmetros socialmente aceitos que lhe permite conviver com as outras pessoas, em outras palavras, ele busca sempre se guiar pelos conceitos que norteiam a prática dos valores positivos e das qualidades humanas. 
Partindo desse princípio acrescento nossa vontade de desenvolver e alavancar as bases para o futuro promissor que nossa Martinho Campos tanto precisa.
A política, no termo exato da palavra, acontece no dia-a-dia entre todos de uma comunidade. E em nossa cidade ela está presente em todo canto, seja condicional ou exigida. Uns a favor, outros contra. Uns que gostam, outros que odeiam. Mas todos, realmente todos, envolvidos nessa matéria que sustenta a vida em sociedade.
As prévias estão chegando e as costuras políticas já estão sendo realizadas entre os partidos e convencionáveis aptos ao pleito. Base aliada e oposição discutem os melhores nomes, os melhores projetos eleitorais e a melhor maneira de angariar os votos dos cidadãos martinho-campenses.
Não há nada certo ainda, somente rumores sobre pré-candidatos a vereador e prefeito. Uma coisa porém já podemos vislumbrar: será uma política tórrida e efervescente, entre o bem e o mal (para a nossa cidade).
Estamos ligados na política local e, toda semana, traremos um novo texto sobre o tema. Lembre-se : o voto é a melhor maneira de mudar uma cidade!

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Atração do Forró na Praça

O povo pediu para o Forró na Praça deste ano. Nós apoiamos!


Futebol Mineiro , só mineiro mesmo!

Parece conto de fadas ou história de terror, mas é uma realidade: os times mineiros (os principais e ditos grandes) estão na zona de rebaixamento do campeonato Brasileiro edição 2016.
Uma triste realidade para os milhões de apaixonados torcedores de América , Cruzeiro e Atlético. 
Mas o que aconteceu? Por que se chegou a esta triste situação?
Não há nenhuma resposta boa suficiente que amenize ou dê esperanças aos três zoneiros.
Quem apostava no Galo como favorito para o título, agora vê o fantasma do rebaixamento, assim como seus irmãos de estado, Coelho e Raposa que, apesar de montarem bons times e com bons técnicos também estão com medo da famigerada série B.
Agora é torcer contra o vento (como dizem os atleticanos) para que essa situação se resolva logo, pois bem sabemos que Minas Gerais sempre foi tradição no futebol e não podemos deixar a peteca cair. reação já!

10 nomes para sentimentos que você nunca soube expressar


Resultado de imagem para minions assustados o que?

Outros idiomas podem até não ter um termo para definir o que chamamos, em português, de "saudade", mas o sentimento de falta de alguém existe mesmo assim. A mesma coisa acontece com outras línguas em relação à nossa. Por exemplo, não temos um termo para nomear a sensação de ansiedade específica que desenvolvemos quando o tempo está acabando, ou aquele vazio que fica depois que os hóspedes vão embora de casa, ou a súbita vontade de quebrar alguma coisa - sentimentos que, em outros idiomas, têm nomes. No livroThe Book Of Human Emotions (O Livro das Emoções Humanas, em tradução livre), a pesquisadora Tiffany Watt Smith, da Universidade Queen Mary de Londres, faz um compilado das expressões de várias línguas diferentes, que designam emoções tão específicas quanto a nossa "saudade". Conheça algumas delas: 
1. Greng jai
Um amigo oferece carona depois de uma festa. Você sabe que será muito melhor aceitar o convite - mas sabe também que, se você aceitar, seu amigo vai demorar muito mais para chegar na casa dele. Em tailandês, existe uma palavra para isso: greng jai, o sentimento de relutância em aceitar a ajuda de alguém porque você entende que, mesmo que a pessoa não assuma, ajudar você vai ser um grande incômodo para ela. 
2. L'appel du vide
Você já esteve no topo de um lugar muito alto e, por um milésimo de segundo, pensou em se jogar? Ou então, já pensou em se atirar na frente do metrô que estava chegando - só tempo o suficiente para desistir da ideia? Pois saiba que os franceses têm uma expressão para definir esse sentimento: l'appel du vide, que significa "um desejo súbito e passageiro de acabar com a própria vida". 
3. Awumbuk
Quando hóspedes vão embora depois de um longo tempo na sua casa, o que fica é um sentimento de vazio. Não é bem saudade das pessoas; é uma sensação de estranheza pela sua casa estar vazia de novo. Em Papua Nova Guiné, isso é tão comum que tem nome:awumbuk, um vazio depois de visitantes ou hóspedes irem embora, ou um retorno melancólico à rotina solitária.
4. Depaysement
Viajar é uma delícia, mas convenhamos: é muito estranho estar em um país estrangeiro. Tudo é diferente, desde as placas de trânsito até os costumes, e você não sabe exatamente como conviver com essas diferenças. Esse sentimento de ser o estrangeiro, o estranho, o peixe fora d'água tem nome em francês: depaysement.
5. Ilinx 
Às vezes, dá vontade de chutar uma lixeira na rua. Ou escrever em uma parede de banheiro. Ou só quebrar alguma coisa. Os franceses (ô povo específico) têm uma expressão para essa necessidade de destruir algo: ilinx, ou a excitação que sentimos a ver alguma coisa ser destruída. 
6. Kaukokaipuu 
Essa palavra finlandesa descreve a saudade de um lugar no qual você nunca esteve. Não é só vontade de viajar e conhecer o tal lugar: é como se fosse uma saudade do seu lar; como se você pertencesse àquele país ou àquela cidade, mesmo sem nunca ter pisado por lá. 
7. Malu 
A palavra indonésia é bonitinha, mas a sensação que ela traduz é horrível. Digamos que você está no elevador do trabalho, de boa, e de repente o seu chefe aparece: do nada, você começa a se sentir constrangido, envergonhado, inferior, inseguro - e incapaz de dizer qualquer coisa. Isso é malu. O interessante é que, na Indonésia, ficar calado frente a alguém mais poderoso que você é um sinal de boas maneiras. 
8. Pronoia 
Você sabe o que é paranoia, certo? É a sensação maluca de que todas as pessoas estão tramando para te ver mal. Mas a pronoia é o contrário disso: achar que todo mundo está tramando para te ver bem. A expressão, na verdade, não vem de um idioma - ela foi criada pelo sociólogo Fred Goldner, em 1982.
9. Torschlusspanik 
Você não estudou para a prova e ainda está na metade dela - mas faltam dez minutos para acabar o tempo. Você começa a ficar nervoso de um jeito absurdo, de um jeito que não acontece em nenhuma outra situação. É uma luta contra o tempo que os alemães batizaram detorschlusspanik, uma expressão que literalmente significa "pânico desencadeado quando os portões estão se fechando".
10. Esprit d'Escalier
Você está tendo uma discussão feia com alguém, e vocês dois estão exaltados, trocando insultos e tentando definir quem tem razão. Por fim, você decide ir embora - mas, assim que você sai porta afora e começa a descer as escadas para ir para casa, pensa em um argumento perfeito para desarmar a pessoa e vencer a discussão. Essa sensação horrível é traduzida (de novo) em francês como "esprit d'escalier" ou o "espírito das escadas". Quem nunca?

O primeiro "coro" do Waldim

O Waldim, filho do Geriowaldo (herói da Badia), em sua infância, apanhava muito, pois era muito custoso. Porém, às vezes apanhava sem motivo, como no caso a seguir.
Ele estava cursando o colégio na extinta escola Dalila Vieira, quando chegou em casa com uma lista de dúvidas que tinha sobre a vida. Então passou para sua mãe Geriowanda a tal lista para que ela respondesse suas dúvidas.

01. Para tiro à queima-roupa é preciso que a vítima esteja vestida?
02. Tem algum direito a mulher em trabalho de parto sem carteira assinada?
03. Provocar o Judiciário é xingar o juiz?
04. Pessoas de má fé são aquelas que não acreditam em Deus?
05. Quem é canhoto pode prestar vestibular para Direito?
06. Cabe relaxamento de prisão nos casos de prisão de ventre?
07. Quantos quilos por dia emagrece um casal que optou pelo regime parcial?
08. Com a nova Lei Ambiental, afogar o ganso passou a ser crime?
09. Levar a secretária eletrônica para a cama é assédio sexual?
10. Seria patrocínio o assassinato de um patrão?
11. Dizer que gato preto dá azar é preconceito racial?
12. Se um motel funciona somente das 8 às 18 horas, podemos dizer que ali só ocorrem transações comerciais?
13. Qual é a capital do estado civil?

A mãe então bateu nele, pode isso?!

Reflexão da sexta-feira/A torrada

Quando eu ainda era um menino, minha mãe gostava de fazer um lanche, tipo café da manhã, na hora do jantar. E eu me lembro especialmente de uma noite, quando ela fez um lanche desses, depois de um dia de trabalho muito duro.

Naquela noite distante, minha mãe colocou um copo com leite e um prato com torradas bastante queimadas, para o meu pai. Eu me lembro de ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato. Tudo o que meu pai fez foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe, e me perguntar como tinha sido o meu dia na escola.

Eu não me lembro do que respondi, mas me lembro de ter olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geléia e engolindo cada pedaço.

Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se desculpando por ter queimado a torrada. E eu nunca esquecerei o que ele disse:

– Amor, eu adoro torrada queimada.

Mais tarde, naquela noite, quando fui dar um beijo de boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele realmente gostava de torrada queimada. Ele me envolveu em seus braços e me disse:

– Filho, sua mãe teve um dia de trabalho muito pesado e estava realmente cansada. Além disso, uma torrada queimada não faz mal a ninguém. A vida é cheia de imperfeições e as pessoas não são perfeitas. E eu também não sou o melhor cozinheiro do mundo.

O que tenho aprendido através dos anos é que saber aceitar as falhas alheias, relevando as diferenças entre uns e outros, é uma das chaves mais importantes para criar relacionamentos saudáveis e duradouros.

E essa lição serve para qualquer tipo de relacionamento: entre marido e mulher, pais e filhos, irmãos e amigos.”

terça-feira, 14 de junho de 2016

Publicações oficiais



07/06
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Termo de Retificação. Processo Licitatóiro nº 24/2016 Pregão Presencial RP nº 21/2016. Objeto: Aquisição de Dieta Alimentar Enteral Renal. Fica Retificado o AnexoI no Item I (Especificação dos itens e valor estimado), e o Anexo II Modelo de Proposta. Devido a Retifica- ção fica prorrogada a data da sessão de credenciamento e fase de lances para 24 de Junho de 2016 às 10:30 horas. O Edital e sua Retificação poderão ser solicitados através do email: licitacao82@yahoo.com.br. Maiores informações: (37)3524-1273. Nilson – Pregoeiro. 
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG:Ata de Registro de Preços nº 043/2016 firmada com a empresa ROGÉ- RIO RIBEIRO VIDIGAL COMÉRCIO - EPP, no valor global de R$38.500,00 ( Trinta e oito mil e quinhentos reais), referente ao Processo Licitatório nº 20/2016 Pregão Presencial RP nº 18/2016. Francisco Ludovico de Medeiros - Prefeito Municipal.
10/06
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Termo de Homologação . Processo licitatório nº 22/2016 Pregão Presencial rP nº 19/2016 . objeto: aquisição de brita Guinase ou Calcária, Pó de brita e Pedra de mão para alicerse . Vencedor: Aroldo de Paula Assis –ME . Francisco Ludovico de Medeiros – Prefeito municipal 
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: DECRETO nº 022/2016 . objeto: Declara de utilidade Pública, para fins de constituição de servidão de passagem, terrenos situados no Distrito de Albert Isaacson, município de martinho Campos, MG, para implantação e funcionamento do sistema de esgotamento sanitário do Distrito” . Publicado em 25-05-2016 . Francisco Ludovico de Medeiros – Prefeito municipal . 

14/06
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Ata de Registro de Preços nº 045/2016 firmada com a empresa AROLDO DE PAULA ASSIS - ME no valor global de R$47.450,00 ( Quarenta e sete mil, quatrocentos e cinquenta reais), referente ao Processo Licitatório nº 22/2016 Pregão Presencial RP nº 19/2015. Francisco Ludovico de Medeiros - Prefeito Municipal. 
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS: Termo de Homologação. Processo Licitatório nº 23/2016 Pregão Presencial RP nº 20/2016. Objeto: Aquisição de Emulsão Asfáltica RL-1C. Empresa vencedora: Emam - Emulsões e Transportes Ltda. Valor global R$ 159.200,00 (Cento e cinqüenta e nove mil e duzentos reais). Francisco Ludovico de Medeiros – Prefeito Municipal.