abadiaemfoco

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

SEAP assume Cadeia Pública de Bom Despacho/MG

SEAP assume cadeia pública de Bom Despacho
Na manhã do dia 29 de setembro de 2016, foi realizada na cadeia pública de Bom Despacho, uma solenidade em comemoração à passagem do policiamento da Cadeia Pública para a SEAP – Secretaria Extraordinária de Administração Prisional.
Participaram da cerimônia: o Comandante do Sétimo Batalhão de Polícia Militar, Tenente Coronel Rodrigo Teixeira Coimbra, o Comandante da 50ª Companhia de Policiamento Tenente Antônio Marcos Azevedo, o Juiz de Direito da Comarca Dr. João Batista Simeão da Silva, o Promotor de Justiça Dr. Giovane Avelar Vieira, o Delegado de Polícia Dr. Fábio Henrique Xavier e Silva, a diretora referência da 7ª RISP Sara Simões Araújo Pires, acompanhados de demais policiais Civis, Militares e Agentes Penitenciários da Cidade de Pará de Minas e Bom Despacho.
O policiamento da cadeia pública de Bom Despacho, que até a presente data era realizado por agentes penitenciários, apoiados pelos militares da 50ª Companhia de Polícia Militar, doravante, será de responsabilidade da SEAP, que contará com um efetivo de 27 agentes prisionais.

REBELIÃO
A antiga cadeia de Bom Despacho foi destruída por uma rebelião de presos em dezembro de 2010 e estava interditada. Segundo divulgação do governo de Minas, através da arrecadação de penas de prestação pecuniária aplicadas na Justiça local foram investidos em 2016, R$ 72 mil em reformas que garantem também um aumento no número de vagas, de 60 para 86. 
O juiz de Execução Penal da Comarca de Bom Despacho, João Batista Simeão da Silva, informou que os presos originários de Bom Despacho estavam sendo enviados para o Complexo Penitenciário Pio Canedo, em Pará de Minas, a cerca de 80 quilômetros, o que dificultava o acesso dos familiares. “Nossa principal preocupação é com a garantia dos direitos dos presos, como o de cumprir pena perto de suas famílias”, afirmou.
Segundo o juiz, a reativação da unidade prisional na cidade traz uma série de vantagens, como a agilidade no cumprimento de citações de presos que respondem a processo criminal e eventuais deslocamentos para audiências. 
Após a rebelião em 2010, a Polícia Civil continuou administrando a cadeia, que ficou limitada a uma cela para presos provisórios. De acordo com o delegado Fábio Henrique Xavier, com a assunção da Seap, as atividades típicas da polícia serão liberadas, assim como de outros servidores da instituição em Bom Despacho.
Com a reativação da cadeia a intenção será executar o plano construído em 2015, em conjunto entre Polícia Civil e Seap, em transferir todos os presos remanescentes sob gestão da Polícia Civil de Minas Gerais, referente a 4.200, para o sistema prisional da Seap. Atualmente, mais da metade dessa meta foi cumprida, conforme o governo de Minas.
(Créditos para a Rádio Difusora de Bom Despacho/MG)

Reflexão da sexta-feira/O Lobo e o Leão

Um Lobo saiu de sua toca num fim de tarde, bem disposto e com grande apetite. E enquanto ele corria, a luz do sol poente batia sobre seu corpo, fazendo sua sombra aparecer refletida no chão.
Então ele viu aquela sombra de si mesmo projetada no chão. E como a sombra de uma coisa é sempre bem maior que a própria coisa, ao ver aquilo, exclamou vaidoso: “Ora, ora, veja só o quanto grande eu sou! Imagine eu, com todo esse tamanho, e ainda tendo que fugir de um insignificante Leão! Eu o mostrarei, quando o encontrar, se Ele ou Eu, afinal, quem de verdade é o rei dos animais!”
E enquanto estava distraido envolto em seus pensamentos e gabando a si mesmo, um Leão pulou sobre ele e o capturou.
Ele então exclamou com tardio arrependimento: “Coitado de mim! Minha exagerada autoestima foi a causa da minha perdição.”

Moral da História:
Não permita que suas fantasias o façam esquecer da realidade.
(Esopo)

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Na loja...

O Geriowaldo (em tempos idos) entrou na loja do Dervalinos e pediu ao dono:

- Vocês têm cerveja?

- Isso é uma loja, não vendemos cerveja. Vá ao buteco da esquina!

No outro dia, o Gê entra na loja e pergunta de novo:

- Oi, vocês têm cerveja?

O dono, irritado, responde:

- Já disse que isso aqui é uma loja! Procure um bar!

No terceiro dia, o Geriowaldo (eterno herói da Badia) volta à loja e pergunta:

- Oi, vocês têm cerveja?

- Poxa! - diz o dono, irritado - Já disse que não temos cerveja, e que isso aqui é uma loja! Se você me perguntar isso de novo, pego uma corda, te amarro e te entrego pro açougueiro aí do lado!

No outro dia o Geriowaldo volta, olha bem nos olhos do dono e pergunta:

- Oi, vocês têm cordas?

- Não! - diz o dono, intrigado.

Ao que o Gê continua:

- E cervejas?


Copa do Brasil

E o Galão venceu mais uma e agora vai na vantagem até o sul do país para passar às semifinais da Copa do Brasil.
Não foi um jogo estonteante, mas a vitória por um a zero sobre o Juventude ficou de bom tamanho, haja vista termos jogado com um atleta a menos boa parte do segundo tempo.
O time, aliás vem fazendo jogos duríssimos, pois temos um dos melhores elencos do país e todos querem crescer diante de nossa equipe.
Mas, vamos que vamos e queremos os dois troféus, um do Brasileirão e o outro da Copa do Brasil.
Bica bicudo.
Resultado de imagem para musas famosas do galo mineiro

O ideal e o possível

Na política temos o ideal e o possível. Poderia resumir e já terminar o texto dizendo que o ideal está presente na campanha, já o possível se insere na governabilidade.
Todavia vamos refletir sobre o tema. O ideal é que sejamos fortes, inteligentes, saudáveis, bonitos...etc. Já o possível é exercitar para ser forte, estudar para adquirir cultura e sabedoria, alimentar-se bem para ser saudável, trabalhar duro para manter uma certa beleza, etc.
Tenho analisado as propostas dos candidatos a prefeito para nosso município. Ambas permeiam o ideal que todos nós queremos, mas somente uma pode tornar possível a luta por este ideal.
Acredito piamente que todo eleitor deveria ver e analisar tais propostas para depois votarem. Pois, muitas vezes, a paixão política, os interesses pessoais,  o egocentrismo e a vaidade nos ofuscam e nos orientam de forma errônea. A reflexão antes e diante da urna é essencial para realizarmos a verdadeira mudança em nossa cidade.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Eclesiastes 8/ Em dia com a Bíblia

1 Quem é como o sábio? E quem sabe a interpretação das coisas? A sabedoria do homem faz brilhar o seu rosto, e a dureza do seu rosto se muda.
2 Eu digo: Observa o mandamento do rei, e isso em consideração ao juramento que fizeste a Deus.
3 Não te apresses a sair da presença dele, nem persistas em alguma coisa má, porque ele faz tudo o que quer.
4 Porque a palavra do rei tem poder; e quem lhe dirá: Que fazes?
5 Quem guardar o mandamento não experimentará nenhum mal; e o coração do sábio discernirá o tempo e o juízo.
6 Porque para todo o propósito há seu tempo e juízo; porquanto a miséria do homem pesa sobre ele.
7 Porque não sabe o que há de suceder, e quando há de ser, quem lho dará a entender?
8 Nenhum homem há que tenha domínio sobre o espírito, para o reter; nem tampouco tem ele poder sobre o dia da morte; como também não há licença nesta peleja; nem tampouco a impiedade livrará aos ímpios.
9 Tudo isto vi quando apliquei o meu coração a toda a obra que se faz debaixo do sol; tempo há em que um homem tem domínio sobre outro homem, para desgraça sua.
10 Assim também vi os ímpios, quando os sepultavam; e eles entravam, e saíam do lugar santo; e foram esquecidos na cidade, em que assim fizeram; também isso é vaidade.
11 Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal.
12 Ainda que o pecador faça o mal cem vezes, e os dias se lhe prolonguem, contudo eu sei com certeza que bem sucede aos que temem a Deus, aos que temem diante dele.
13 Porém o ímpio não irá bem, e ele não prolongará os seus dias, que são como a sombra; porque ele não teme diante de Deus.
14 Ainda há outra vaidade que se faz sobre a terra: que há justos a quem sucede segundo as obras dos ímpios, e há ímpios a quem sucede segundo as obras dos justos. Digo que também isto é vaidade.
15 Então louvei eu a alegria, porquanto para o homem nada há melhor debaixo do sol do que comer, beber e alegrar-se; porque isso o acompanhará no seu trabalho nos dias da sua vida que Deus lhe dá debaixo do sol.
16 Aplicando eu o meu coração a conhecer a sabedoria, e a ver o trabalho que há sobre a terra (que nem de dia nem de noite vê o homem sono nos seus olhos);
17 Então vi toda a obra de Deus, que o homem não pode perceber, a obra que se faz debaixo do sol; por mais que trabalhe o homem para a descobrir, não a achará; e, ainda que diga o sábio que a conhece, nem por isso a poderá compreender.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

SOS Rio Picão

O Rio Picão, afluente do Velho Chico, está secando a olhos vistos. O volume de água está baixo, sendo possível ver o fundo, além de trechos onde a terra se mistura com a água. 
O Rio que nasce no povoado da Garça (Bom Despacho/MG) tem seu trecho definido entre Bom Despacho e Martinho Campos, desaguando no São Francisco. 
É muito triste ver isso, sabendo que o causador principal é o bicho homem. No percurso do leito podemos observar falta de matas ciliares em alguns trechos, desmatamentos, queimadas e alguns pivôs em pleno funcionamento.
Aliado à escassez de chuvas temos também o desaparecimento de vários córregos/nascentes que antes abasteciam nosso bravo Rio Picão.
Fator terrível também para a degradação do rio é o escoamento de resíduos (esgoto) para seu leito em diversos pontos de seu caminho.
A população martinho-campense está assustada, pois este rio abastece a cidade e é importante para a vazão do Velho Chico.
Outrora, este mesmo leito, produzia energia através da usina que aqui havia e era muito piscoso, sendo visitado sempre por pescadores e famílias, buscando descanso e lazer em suas margens. Por isso a tristeza é ainda maior, pois vê-lo secando é como ver a morte de perto.
Oxalá queira que São Pedro nos abençoe e mande muita chuva neste ano para nós. Queira Deus também que todos se sintam responsáveis pelo fato e comecem a reflorestar as matas ciliares, evitar as queimadas, reduzir ou acabar com as irrigações. Que as autoridades fiscalizem e não deixem despejar esgoto em seu leito. Que as escolas se primam para a defesa do meio ambiente. Caso contrário, as próximas gerações saberão deste rio apenas por fotos e livros de história.

Latim, prefeito e respeito...

O termo Prefeito vem do Latim praefectus, "posto acima dos outros". Já o vocábulo Respeito vem, também do Latim, respectus, " olhar outra vez".
A caminhada para se chegar ao Paço Municipal nos mostra, ao longo da história, que realmente, este "posto" é algo importante e cobiçado por muitos. 
Estar no topo traduz uma responsabilidade muito grande, pois são milhares de pessoas que vivem na cidade e dela dependem para que sobrevivam com dignidade. Daí a importância do governante saber olhar outra vez, ou seja, saber respeitar, considerar seus eleitores e, principalmente, todos os cidadãos da comunidade.
Esse respeito deve vir com sua atuação frente à administração pública: mais escolas, mais saúde, mais segurança, mais lazer, enfim, a sua atuação como gestor da cidade e sua liderança obtida pelo voto democrático.
O respeito  é traduzido pelas posições enérgicas a serem tomadas para ao crescimento da cidade. O respeito deve também ser mútuo com os demais integrantes da administração e com a Câmara. 
O respeito (aqui se tratando de consideração) deve partir da prefeitura para todos os recantos do município.
Nesta semana estaremos na última etapa de um pleito municipal. Vamos votar, com respeito (olhando outra vez, considerando), para termos uma cidade de respeito.


Galo vence mais uma

O Galão da Massa está com a corda solta. Vem ganhando partidas e mais partidas e chegando junto aos dois primeiros, ali na ponta da tabela. Sabemos que ser campeão é difícil, mas estamos no caminho certo. 
A vítima da vez foi o Inter que despencou de vez na parte de baixo do campeonato brasileiro.
A torcida sempre presente no Horto mais uma vez viu um bom jogo de bola e pode ver também a alegria estampada em todos, sonhando com o bicampeonato nacional.
Com três gols, sendo um muito bonito, a equipe alvinegra se consolida no "bolo" e agora luta, mais do que nunca para alcançar e pular os dois concorrentes.
A torcida acredita. Bola pra frente, porque 2016 é nosso!

sábado, 24 de setembro de 2016

Momento nostalgia / ARENA e MDB

Nos anos dourados aqui na Badia City, nas tardes de domingo, a garotada , depois de muito jogar "peladinha" na quadra do Abadia, se reunia na praça da Matriz, depois de assistir aos Trapalhões e também à Missa Dominical, e ali se desenvolvia várias brincadeiras, dentre elas o pique de esconder. Lembro-me bem de um destes domingos onde não houve brincadeiras porque estava ocorrendo um comício político e a praça estava cheia de gente, mais do que o normal.
Lembro-me que era um comício do MDB (adversário do partido ARENA). Então, ficamos ouvindo as ladainhas dos candidatos e suas musiquinhas enjoativas. O bom era que havia balas e pirulitos para a molecada. 
E para lembrar desta época dourada, vamos ouvir dois sucessos eternos.


Agora a nacional



sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Reflexão da sexta-feira/O Homem de Nazaré

Hei, está  acabando o 2016
tanto tempo faz que ele morreu
o mundo se modificou
mas ninguém jamais o esqueceu
E eu sou ligado no que ele falou
sou parado no que ele deixou
o mundo só será feliz
se a gente cultivar o amor
Hei, irmão, vamos seguir com fé
tudo o que ensinou
o homem de Nazareth

Reis e rainhas que este mundo viu
todo povo sempre dirigiu
caminhando em busca de uma luz
sob o símbolo de sua cruz
Hei, irmão, vamos seguir com fé
tudo o que ensinou
o homem de Nazareth

Ele era rei mas foi humilde o tempo inteiro
ele foi filho de carpinteiro
e nasceu em uma manjedoura
não saiu jamais muito longe de sua cidade
não cursou nenhuma faculdade
mas na vida ele foi doutor
ele modificou o mundo inteiro
ele modificou o mundo inteiro
ele modificou o mundo inteiro
ele revolucionou o mundo inteiro

Hei irmão, vamos seguir com fé
tudo o que ensinou
o homem de Nazareth
hei irmão, vamos seguir com fé
tudo o que ensinou
o homem de Nazareth
hei irmão, vamos seguir com fé
tudo o que ensinou
o homem de Nazareth
hei, irmão!!!!
(Antônio Marcos/Adaptação)

Tempo de reflexão política

O tempo vai afunilando e a eleição cada vez se aproxima mais. Para muitos é um tempo de festa; festa da democracia. O debate está quente e os dois lados estão trabalhando para angariar os votos dos ainda indecisos. 

Esta, porém, está sendo uma política atípica se comparada com outras épocas. Temos menos candidatos ao cargo de prefeito; os candidatos estão mais coerentes com o povo; não há mais showmícios ou comícios; nada de pintura em muros e/ou fachadas; uso de mídias sociais; campanha regrada financeiramente e um eleitor mais consciente e atento às propostas dos candidatos.
Aliás, os eleitores daqui da querida "Abadia" se preocupam com as políticas públicas, avaliam a performance dos governos e a personalidade dos postulantes aos cargos políticos. Dada as opções que lhes são oferecidas, e as informações que estão disponíveis, a maioria deles age da maneira mais racional e responsável possível. Felizmente, para a democracia, esse não é um tipo de comportamento recente ou com hora marcada para terminar.
Destarte, esperamos com certa ansiedade e esperança o dia dois de outubro, onde , diante das urnas eletrônicas, moldaremos a administração 2017/2020.
Termino este texto com uma fala do Barão de Montesquieu "Os leões têm uma grande força, mas esta ser-lhes-ia inútil se a natureza lhes não tivesse dado olhos."

Por que desenhar ajudar a desestressar?

O fenômeno dos livros para colorir anti-estresse já indica que existe algum efeito extremamente relaxante em sentar com papel e caneta e deixar a imaginação fluir. Mas para os pesquisadores da Brooklyn College não bastava saber que desenhar gera uma sensação boa: eles queriam saber o motivo.
Resultado de imagem para desenho de infânciaO experimento que eles montaram dividia os desenhistas em dois grupos. Primeiro, os cientistas pediram que os participantes pensassem na última experiência triste que tiveram. O exercício de imersão fazia com que eles imaginassem não só a sensação de tristeza, mas os sons, os pensamentos e as paisagens envolvidas naquela experiência.
Depois, cada grupo desenhou por 15 minutos. Um dos grupos tinha de colocar no papel as emoções que estavam sentindo naquele momento. O outro recebeu a estranha missão de desenhar os próprio sapatos.
Por trás dessas tarefas estavam as duas principais teorias sobre o efeito relaxante da arte. Uma delas defende que os benefícios da arte vem da catarse - da capacidade de desabafar toda a sensação ruim e, assim, se livrar dela. Do outro lado, a hipótese aposta na distração: não pensar no tema estressante ajudaria as emoções a se regularem.
O experimento durou quatro dias - em cada dia, um grupo desabafava com o lápis, o outro desenhava coisas esquisitas, como em um exercício de observação. Depois eles relatavam seu estado mental.
Resultado de imagem para desenho de infânciaNo curto e no longo prazo, as pessoas que desenharam os próprios sapatos tiveram os maiores benefícios. Mesmo quando caiu na rotina, o desenho ainda era capaz de tirar o foco das pessoas nos problemas e, com isso, elas saíam do laboratório mais relaxadas e prontas para enfrentar o dia.
É claro que, para obter os benefícios do desenho, não é necessário usar os próprios sapatos - mas também não vale qualquer distração. Segundo os autores da pesquisa, a distração "terapêutica" precisa de dois quesitos fundamentais: precisa ser uma tarefa que absorva totalmente o foco e a reflexão do desenhista. Ele precisa estar consciente da necessidade de capturar cada detalhe do que está à sua frente. Em segundo lugar, o objeto a ser desenhado precisa ser neutro, sem um forte significado emocional - daí é que vem a grande vantagem de usar os próprios sapatos como "musos".
(Da revista digital Superinteressante)

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Na raça, mas valeu

Resultado de imagem para famosas torcedoras do galoO Atlético saiu perdendo de dois a zero para a Macaca lá em Campinas, mas deu a volta por cima e conseguiu um empate suado. Um empate batalhado e com o tempero do Galo Mineiro (suspense e sofrimento) até  os minutos finais do jogo. Com o resultado passamos para a próxima fase do certame e vamos esperar o próximo adversário (que pode inclusive ser a raposa) para focarmos nosso objetivo que é ser bicampeão da Copa do Brasil.
Vamos que vamos! Aqui é Galo!
Bica bicudo!

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Quando Geriowaldo estudava

Quando Geriowaldo (herói da Badia) estudava o colégio numa antiga escola da cidade, havia um professor que não o suportava, mas Gê não baixava a cabeça. Um dia o professor estava comendo no refeitório e sentaram-se juntos. O professor disse:
- Sabe Geriowaldo, você sabe que um porco e um pássaro não comem juntos?
- Ok, professor. Já estou voando... e foi para outra mesa.
O professor aborrecido resolve vingar-se no exame seguinte, mas ele responde, brilhantemente, todas as perguntas. Então resolve fazer a seguinte pergunta:
- Geriowaldo, indo o senhor por uma rua e encontrando uma bolsa, abre-a e encontra a sabedoria e um pacote com muito dinheiro. Com qual deles ficava?
Gê respondeu:
- Claro que com o dinheiro, professor!
- Ah! Pois eu no seu lugar Geriowaldo, ficaria com a sabedoria.
- Tem razão professor, cada um ficaria com o que não tem!
O professor furioso escreveu na prova "IDIOTA" e lhe entregou. Geriowaldo recebeu a prova, leu e voltou:
- Professor, o senhor assinou a prova, mas não deu a nota!

Eclesiastes 7/ Em dia com a Bíblia

Melhor é a boa fama do que o melhor unguento, e o dia da morte do que o dia do nascimento de alguém.
Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque naquela está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração.
Melhor é a mágoa do que o riso, porque com a tristeza do rosto se faz melhor o coração.
O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos na casa da alegria.
Melhor é ouvir a repreensão do sábio, do que ouvir alguém a canção do tolo.
Porque qual o crepitar dos espinhos debaixo de uma panela, tal é o riso do tolo; também isto é vaidade.
Verdadeiramente que a opressão faria endoidecer até ao sábio, e o suborno corrompe o coração.
Melhor é o fim das coisas do que o princípio delas; melhor é o paciente de espírito do que o altivo de espírito.
Não te apresses no teu espírito a irar-te, porque a ira repousa no íntimo dos tolos.
Nunca digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Porque não provém da sabedoria esta pergunta.
Tão boa é a sabedoria como a herança, e dela tiram proveito os que vêem o sol.
Porque a sabedoria serve de defesa, como de defesa serve o dinheiro; mas a excelência do conhecimento é que a sabedoria dá vida ao seu possuidor.
Atenta para a obra de Deus; porque quem poderá endireitar o que ele fez torto?
No dia da prosperidade goza do bem, mas no dia da adversidade considera; porque também Deus fez a este em oposição àquele, para que o homem nada descubra do que há de vir depois dele.
Tudo isto vi nos dias da minha vaidade: há justo que perece na sua justiça, e há ímpio que prolonga os seus dias na sua maldade.
Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo?
Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas louco; por que morrerias fora de teu tempo?
Bom é que retenhas isto, e também daquilo não retires a tua mão; porque quem teme a Deus escapa de tudo isso.
A sabedoria fortalece ao sábio, mais do que dez poderosos que haja na cidade.
Na verdade que não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque.
Tampouco apliques o teu coração a todas as palavras que se disserem, para que não venhas a ouvir o teu servo amaldiçoar-te.
Porque o teu coração também já confessou que muitas vezes tu amaldiçoaste a outros.
Tudo isto provei-o pela sabedoria; eu disse: Sabedoria adquirirei; mas ela ainda estava longe de mim.
O que já sucedeu é remoto e profundíssimo; quem o achará?
Eu apliquei o meu coração para saber, e inquirir, e buscar a sabedoria e a razão das coisas, e para conhecer que a impiedade é insensatez e que a estultícia é loucura.
E eu achei uma coisa mais amarga do que a morte, a mulher cujo coração são redes e laços, e cujas mãos são ataduras; quem for bom diante de Deus escapará dela, mas o pecador virá a ser preso por ela.
Vedes aqui, isto achei, diz o pregador, conferindo uma coisa com a outra para achar a razão delas;
A qual ainda busca a minha alma, porém ainda não a achei; um homem entre mil achei eu, mas uma mulher entre todas estas não achei.
Eis aqui, o que tão-somente achei: que Deus fez ao homem reto, porém eles buscaram muitas astúcias.

Publicações oficiais recentes

15/09
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/ MG:Ata de Registro de Preços nº 057/2016 firmado com a empresa ITAÚNA TRANSPORTE TURÍSTICO LTDA - ME, no valor global de R$14.656,52 ( Quatorze mil, seiscentos e cinquenta e seis reais e cinquenta e dois centavos), referente ao Processo Licitatório nº 35/2016 Pregão Presencial RP nº 24/2016. Francisco Ludovico de Medeiros - Prefeito Municipal

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Ata de Registro de Preços nº 058/2016 firmado com a empresa DÉCIO GONÇALVES JÚNIOR - ME, no valor global de R$33.120,00 ( Trinta e três mil cento e vinte reais), referente ao Processo Licitatório nº 36/2016 Pregão Presencial RP nº 30/2016. Francisco Ludovico de Medeiros - Prefeito Municipal.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Ata de Registro de Preços nº 054/2016 firmado com a empresa MULTIMEDIC COMERCIAL LTDA - ME, no valor global de R$90.100,65 ( Noventa mil, cem reais e sessenta e cinco centavos), referente ao Processo Licitatório nº 30/2016 Pregão Presencial RP nº 25/2016. Francisco Ludovico de Medeiros - Prefeito Municipal. 

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Ata de Registro de Preços nº 056/2016 firmado com a empresa GÊNESIS HOSPITALAR - ME, no valor global de R$4.804,00 ( Quatro mil, oitocentos e quatro reais), referente ao Processo Licitatório nº 30/2016 Pregão Presencial RP nº 25/2016. Francisco Ludovico de Medeiros - Prefeito Municipal. 

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Ata de Registro de Preços nº 055/2016 firmado com a empresa JN DIAGNÓSTICA LTDA - EPP, no valor global de R$110.444,75 ( Cento e dez mil, quatrocentos e quarenta e quatro reais e setenta e cinco reais), referente ao Processo Licitatório nº 30/2016 Pregão Presencial RP nº 25/2016. Francisco Ludovico de Medeiros - Prefeito Municipal.

20/09
PREFEITURA MUNICIPAL DE MARTINHO CAMPOS/MG: Aviso de Licitação. Processo Licitatório nº 40/2016 Tomada de Preços nº 04/2016. Objeto: Contratação de empresa para execução da obra de Pavimentação Asfáltica em CBUQ em ruas da Sede do Município de Martinho Campos/MG. A visita técnica será dia 07/10/2016 ás 10 horas saindo da Prefeitura. A sessão de Credenciamento, abertura e julgamento dos documentos de habilitação e proposta será dia 11/10/2016 ás 10 horas no departamento de licitações do Município. O edital poderá ser solicitado através do email: licitacao82@yahoo.com.br. Maiores informações: (37)3524-1273 – Nilson ou Joseli.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Nem um nem outro....

O empate entre Cruzeiro e Atlético, no clássico nacional, não favoreceu nenhuma equipe, pelo contrário; o Atlético está vendo seus concorrentes ao título mais longe e o Cruzeiro se aproximando perigosamente na Zona de rebaixamento do campeonato Brasileiro 2016.
Foi um jogo equilibrado e por que não dizer, muito bom tecnicamente. Todavia o Glorioso Atlético Mineiro merecia a vitória,haja vista o volume de jogo e determinação nas jogadas. Sem falar que o Victor estava mal posicionado quando do gol de empate da raposa. Mas agora são águas passadas e temos que levantar a cabeça e seguir buscando as vitórias para novamente colarmos nos líderes e tentar melhor sorte para passar a frente na tabela.
Eu acredito sempre! Bica Bicudo! Aqui é Galo.

domingo, 18 de setembro de 2016

O povo e a indecisão

O momento é de muita reflexão para se decidir em quem votar no dia 02 de outubro próximo. As propagandas estão aí, os candidatos estão aí e seus correligionários também. 
Muita coisa já foi divulgada, muito se foi falado e muitos são aqueles que ainda estão indecisos.

Sim! Muita indecisão quanto ao pleito deste ano. Coisa rara, haja vista sempre ter este ou aquele na frente faltando apenas duas semanas das eleições.
Isto está acontecendo por termos à frente das campanhas para prefeito duas novas caras, dois novos nomes que nunca exerceram cargo eletivo. O impacto desta inovação é a indecisão da maioria, que, creio eu deixará para junto da urna eletrônica sua escolha, mas sempre baseada na ética, na cidadania e na esperança de uma Martinho Campos melhor.
No caso dos vereadores muito feliz fiquei ao ver tantos bons nomes para uma renovação na Casa Legislativa.

Vale lembrar amigo internauta eleitor, que no dia 03 de outubro a vida política martinho-campense volta ao normal e o respeito para aqueles que foram adversários (vencedores ou não) deve ser preservado. Pois todos queremos o melhor para nossa cidade. E viva a festa da democracia.

Momento Nostalgia/Gincana

Nos tempos de colégio aqui na Badia  havia uma brincadeira promovida pela Prefeitura, na época de setembro, que se chamava Gincana Escolar. As escolas levavam um grupo de alunos para a Praça da Matriz e ali eram realizadas tarefas para soma de pontos. Lembro-me bem de uma tarefa que era pegar um galho florido de ipê amarelo. 
Fomos próximo ao rio Picão e ali foi uma luta só para conseguir pegar o galho do tal ipê. Todavia vencemos a prova e a Gincana foi vencida por nossa escola. E para lembrar das brincadeiras na Praça, vamos ouvir dois sucessos do  passado de presente para você.


Agora a nacional


sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Reflexão da sexta-feira/A Lagartixa

Um conferencista compareceu ante o auditório superlotado, carregando consigo um pequeno fardo. Após cumprimentar os presentes, em silêncio, enfeitou uma mesa forrada com toalha branca de seda, com dezenas de pérolas que trouxera no embrulho e com várias dúzias de flores frescas e perfumadas.

Em seguida apanhou na sacola diversos enfeites de expressiva beleza, e os distribuiu sobre a mesa com graça.
Logo depois, diante do assombro de todos, em meio aos demais objetos, colocou uma pequenina lagartixa, num frasco de vidro.
Só então se dirigiu ao público perguntando:
- O que é que os senhores estão vendo?
E algumas vozes responderam discordantes:
- Um bicho!
- Um lagarto horrível!
- Uma larva!
- Um pequeno monstro!
O conferencista então considerou:
- Assim é o espírito da crítica destrutiva, meus amigos! Os senhores não enxergaram o forro de seda branca que recobre a mesa. Não viram as flores, nem sentiram o seu perfume. Não perceberam as pérolas, nem as outras preciosidades. Mas não passou despercebida aos olhos da maioria, a pequena lagartixa...
E, sorridente, concluiu:
- Me pediram para subir a este palco para falar sobre crítica, portanto, nada mais tenho a dizer.
Quantas vezes não nos temos feito cegos para as coisas valorosas da vida e das pessoas? Se seu filho mostra seu boletim escolar repleto de boas notas, mas com apenas uma nota baixa em determinada matéria, qual é a sua reação? Você enfatiza e elogia as notas boas, ou reclama da nota baixa? Quando agimos assim, sem perceber, podemos estar contribuindo para a formação de uma geração que será caracterizada pelo que não é, e não por aquilo que é.
E assim acontece em muitas situações da nossa vida; em vez de focarmos nas flores e nas perolas, colocamos nossa atenção na “lagartixa”.
Tente substituir a crítica pelo elogio e pelo reconhecimento. Você vai perceber que isso tornará a vida de todos, e principalmente a sua, muito melhor!
(Texto extraído da net)

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Temer Temer ou não?

Resultado de imagem para justiça e cidadania
Com o advento do Impeachment, muito questionado pelo partido e aliados da ex-presidente Dilma, a política do Brasil toma novos rumos com o Presidente Temer no comando. Mas, temer o futuro também é pauta da vez, pois o momento é de crise econômica/política e muita coisa precisa ser reavaliada.
Não votei em Dilma e nem em Temer, mas bem sei que ambos foram eleitos pela maioria e agora, somente um fica a frente do poderoso Brasil.
De fato as mudanças já começaram. E acredito que possam surtir efeito a médio e longo prazos. Todavia certos planos do novo presidente, como por exemplo mexer na Previdência e nas Leis trabalhistas, são complexos e a população não quer isso não. Por que não primeiro diminuir os cargos públicos no Congresso e no Alvorada e minimizar o número e o salário de deputados e senadores e demais agentes políticos desse Brasil afora?
Outro fator importante também seria uma justa e imediata reforma política. Pois muita coisa está errada no atual sistema.
Resultado de imagem para Brasil verde e amareloEsperamos dias melhores, mesmo com o Vice assumindo o comando. Entretanto, se pisar na bola, o povo novamente sairá às ruas. Se puderam tirar Dilma, podem também, sem temer, tirar Temer.

Primórdios do automóvel "made in Brasil"

Você sabe qual foi o primeiro carro produzido no Brasil? Essa pergunta não tem resposta tão fácil quanto parece. O Grupo Executivo da Indústria Automotiva (Geia), criado durante o governo de Juscelino Kubitscheck para fazer com que o país se tornasse produtor de veículos, considera que foi o DKW Universal (rebatizado logo depois de Vemaguet), em novembro de 1956. Contudo, em junho daquele ano, era finalizada a primeira unidade de um veículo incomum, tanto para os padrões atuais quanto para os da época: o Romi-Isetta. As vendas iniciavam-se há exatos 60 anos, em setembro de 1956.
Resultado de imagem para romi-isettaO Romi-Isetta era quase um cruzamento de carro com moto: tinha apenas 2,29 m de comprimento e pesava 350 kg. O motor de dois cilindros e dois tempos, com 236 cm³, gerava 9,5 cv de potência; em 1959, ele foi substituído por um de quatro tempos, com 298 cm³ e 13 cv. A posição de dirigir, porém, assemelhava-se à de um carro, com volante e pedais de acelerador, freio e embreagem. A alavanca de câmbio, porém, ficava do lado esquerdo do motorista. Outro ponto comum aos automóveis convencionais é a presença de quatro rodas. Quer dizer, quase comum, pois o eixo traseiro é bem menor que o dianteiro, fazendo com que as bitolas sejam diferentes. Mas o mais curioso era o acesso ao habitáculo: havia só uma porta, que ocupava toda a dianteira do veículo.
Foram justamente as características incomuns do projeto que fizeram com que o Geia não considerasse a Romi-Isetta um automóvel. Para o órgão, só mereciam essa classificação veículos com, ao menos, duas portas e espaço para bagagem. Porém, seja classificado como for, o modelo foi o primeiro a ser de fato produzido, e não apenas montado, no Brasil.

Origem
Apesar de ser primogênita de todos os carros nacionais, a Romi-Isetta não nasceu no Brasil, e sim na Itália, por iniciativa da marca local Iso, que começou a produzi-la em 1953. A empresa vendeu o projeto para fabricantes de outros países, fazendo com que o veículo ganhasse o mundo (entre os licenciados, estava a alemã BMW).

No Brasil, o projeto foi adquirido pelas Indústrias Romi, de Santa Bárbara do Oeste (SP), que fabricavam ferramentas. A Romi-Isetta não foi exatamente um sucesso: foram produzidas cerca de 3.000 unidades no país, entre 1956 e 1961. De qualquer modo, o veículo ganhou importância histórica não apenas pelo pioneirismo, mas também pela concepção pra lá de original. Já as Indústrias Romi seguiram na ativa, fora do ramo automotivo: atualmente, fabricam maquinário para modelagem de metal e processamento de plástico, além de peças industriais.

Primórdios
O primeiro automóvel a circular pelo Brasil, um Peugeot Typ 3, foi importado em 1891 por Santos Dumont.
Em 1919, a Ford instalou a primeira linha de montagem de veículos do Brasil, em São Paulo. Porém, a unidade trabalhava com peças provenientes do exterior.
Durante o governo de Getúlio Vargas, em 1939, foi criada a primeira empresa brasileira do ramo automotivo: a Fábrica Nacional de Motores (FNM), conhecida como Fenemê. A estatal começou a montar caminhões em 1949; inicialmente, também com peças importadas.
Somente em 1956, no governo de Juscelino Kubitschek, a Romi-Isetta e o DKW Universal, feitos com componentes locais, foram os primeiros carros nacionais.
(Do jornal O Tempo)

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Papo de professor politizado!

É óbvio que a leitura de filósofos como Sócrates, Aristóteles, Platão e outros é necessária para o aprendizado do "magistério" em si e também para a compreensão do mundo que nos cerca. Não li todas as obras dos principais filósofos gregos, todavia muitas leituras de tais obras foram por mim estudadas e repassadas a diversos "discípulos" que obtivera em minha pequena, porém rica passagem pelas escolas de nosso município como professor, inclusive de Filosofia.

Não obstante vale refletir que na obra A República de Platão o eixo temático é a discussão em torno do conceito de justiça e a sociedade ideal, todavia também abre o leque para temas tais como: as diferentes formas de governo; as virtudes que devem possuir os governantes e que devem existir na cidade, tais como a sabedoria, coragem, temperança e justiça (PLATÃO, 1993); a teoria do filósofo-rei; até mesmo o tema da educação e da instrução aparecem na obra (PLATÃO, 1993) de como se deve educar governantes, guardiões e filósofos, para que executem bem as suas tarefas.
O trecho filosófico acima me reuniu forças para falar de uma coisa mais cotidiana, porém também de importância dentro deste nosso momento existencial.
Ao analisar os candidatos aos cargos da Casa Legislativa de nossa cidade muito feliz fiquei ao observar que lá estão alguns de meus ex-alunos tentando uma sorte na vida política de nossa cidade. Para mim (e demais professores) é muito gratificante, pois mostra que são cidadãos preocupados com nossa comunidade e querem ajudar a melhorá-la.
Parabéns! Vocês, pela luta em prol dos demais, já são vencedores!

Eclesiastes 6/Em dia com a Bíblia

Há um mal que tenho visto debaixo do sol, e é mui freqüente entre os homens:
Um homem a quem Deus deu riquezas, bens e honra, e nada lhe falta de tudo quanto a sua alma deseja, e Deus não lhe dá poder para daí comer, antes o estranho lho come; também isto é vaidade e má enfermidade.
Se o homem gerar cem filhos, e viver muitos anos, e os dias dos seus anos forem muitos, e se a sua alma não se fartar do bem, e além disso não tiver sepultura, digo que um aborto é melhor do que ele.
Porquanto debalde veio, e em trevas se vai, e de trevas se cobre o seu nome.
E ainda que nunca viu o sol, nem conheceu nada, mais descanso tem este do que aquele.
E, ainda que vivesse duas vezes mil anos e não gozasse o bem, não vão todos para um mesmo lugar?
Todo o trabalho do homem é para a sua boca, e contudo nunca se satisfaz o seu apetite.
Porque, que mais tem o sábio do que o tolo? E que mais tem o pobre que sabe andar perante os vivos?
Melhor é a vista dos olhos do que o vaguear da cobiça; também isto é vaidade e aflição de espírito.
Seja qualquer o que for, já o seu nome foi nomeado, e sabe-se que é homem, e que não pode contender com o que é mais forte do que ele.
Na verdade que há muitas coisas que multiplicam a vaidade; que mais tem o homem de melhor?
Pois, quem sabe o que é bom nesta vida para o homem, por todos os dias da sua vida de vaidade, os quais gasta como sombra? Quem declarará ao homem o que será depois dele debaixo do sol?

sábado, 10 de setembro de 2016

Momento Nostalgia/Cine Abadia

Quando criança aqui na grande Abadia, uma das coisas mais interessantes era passar nas tardes de sábado, pela praça da Matriz e ouvir  músicas que eram transmitidas pelo alto-falante do Cine Abadia. Era muito legal, pois ficavam muitas pessoas ali, nos bancos da praça somente para ouvir as melodias. Pena que o cinema foi extinto. Mas vamos fazer valer a memória e ouvir dois sucessos que tocavam no alto-falante do cine Abadia.
Agora a nacional

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Reflexão da sexta-feira/ O reformador do mundo


Américo Pisca-Pisca tinha o hábito de pôr defeito em todas as coisas. O mundo para ele estava errado e a natureza só fazia asneiras.

– Asneiras, Américo?

– Pois então?!… Aqui mesmo, neste pomar, você tem a prova disso. Ali está uma jabuticabeira enorme sustentando frutas pequeninas, e lá adiante vejo uma colossal abóbora presa ao caule duma planta rasteira. Não era lógico que fosse justamente o contrário? Se as coisas tivessem que ser reorganizadas por mim, eu trocaria as bolas, passando as jabuticabas para a aboboreira e as abóboras para a jabuticabeira. Não tenho razão?

Assim discorrendo, Américo provou que tudo estava errado e só ele era capaz de dispor com inteligência o mundo.

Mas o melhor – concluiu – não é pensar nisto e tirar uma soneca à sombra destas árvores, não acha?

E Pisca-Pisca, pisca-piscando que não acabava mais, estirou-se de papo para cima à sombra da jabuticabeira.

Dormiu. Dormiu e sonhou. Sonhou com o mundo novo, reformado inteirinho pelas suas mãos. Uma beleza!

De repente, no melhor da festa, plaf! Uma jabuticaba cai do galho e lhe acerta em cheio no nariz.

Américo desperta de um pulo; pisca, pisca; medita sobre o caso e reconhece, afinal, que o mundo não era tão mal feito assim. E segue para casa refletindo:

– Que espiga!… Pois não é que se o mundo fosse arrumado por mim a primeira vítima teria sido eu? Eu, Américo Pisca-Pisca, morto pela abóbora por mim posta no lugar da jabuticaba? Hum!

Deixemo-nos de reformas. Fique tudo como está, que está tudo muito bem.

E Pisca-Pisca continuou a piscar pela vida em fora, mas já sem cisma de corrigir a natureza.
(Monteiro Lobato)

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

A política é arte do possível

A política é a arte do possível. Nossa vida é política, apesar de muitos não assim compreendê-la.
E possível é ver a política também como forma de manifestação contrária e/ou a favor dos projetos A e/ou B. Possível ainda é extrair dos candidatos o seu mais profundo amor pela cidade , por seu povo.
A fantasiosa fala de muitos pode ser contagiante e assim mudar opiniões e votos. Todavia devemos tirar, dos discursos, a verdade por trás da fala.
Nossa cidade vive um momento eletivo e escolherá seus governantes (por quatro longos anos) daqui alguns dias. Estamos presenciando as propostas de todos e analisando criteriosamente para não errarmos na hora de clicar na urna.
Vejo que ainda falta consciência política em muitos eleitores, mas estamos trabalhando para diminuir esse erro. Precisamos de mais gente pensante para elegermos, de fato, os melhores para a Prefeitura e para a Câmara.

Tão importante também é saber respeitar os adversários. Se eu quero e acho que meu candidato é o melhor para o município, não quer dizer que o outro é um estorvo, que não condiz com o cargo. Somos imperfeitos e por isso mesmo o respeito é um fator sério para uma eleição limpa e honesta.
Podemos ainda tirar o exemplo do que anda acontecendo em Brasília. Basta um olhar crítico e comparativo para saber em quem votar para prefeito e vereadores em nossa cidade.
E que vença o melhor para todos!

De grão em grão

O Galo venceu mais uma e caminha firme rumo ao topo da tabela de classificação.
Num jogo tenso , o Clube Atlético Mineiro mostrou suas forças mesmo com vários desfalques em seu elenco.
A torcida também foi muito importante para a consolidação da vitória sobre o Vitória da Bahia.
Assim é a competição. De grão em grão o Galo vai de encontro à taça.
Bica bicudo!  Aqui é Galo!
Resultado de imagem para gatinhas do galo mineiro

Desfile Sete de Setembro

Aconteceu nesta última quarta (07/09) o desfile cívico da EE Dr. José Gonçalves em comemoração ao  dia da Independência do Brasil. Com o tema "Do Oiapoque ao Chuí" a escola brilhou ao longo da Avenida Cel. Pedro Lino e arredores da Praça da Matriz com seus alunos vestidos a caráter e mostrando as coisas deste nosso imenso e lindo Brasil.
A comunidade se fez presente e agraciou o evento com aplausos e muita felicidade. Principalmente por ver seus filhos mostrando patriotismo e amor à educação.
Parabéns aos responsáveis pelo evento, aos alunos e a todos que prestigiaram a festa. 

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Não adianta brigar por Whatsapp: nem seus amigos reconhecem suas emoções online

A internet é a terra dos mal entendidos. Seja no Facebook, no Whatsapp ou até ao escrever esse texto, não há como ter certeza de que o leitor vai captar o tom da mensagem.
Um novo estudo da Universidade Chatham, nos Estados Unidos, comprovou o que você talvez já tenha percebido por experiência própria: é muito difícil entender as emoções das pessoas online, sejam elas estranhas ou amigos próximos.
Durante a pesquisa, os cientistas pediram que uma série de participantes escrevessem alguns emails e marcassem que emoções estavam expressando no texto. As opções eram alegria, confiança, medo, surpresa, tristeza, nojo, raiva e antecipação. Além disso, classificavam de 1 a 7 a intensidade de cada emoção.
Na etapa seguinte, essas mensagens foram enviadas a dois grupos diferentes de leitores: amigos dos voluntários e completos desconhecidos. A maioria dos participantes acreditava que os dois grupos compreenderiam o tom da mensagem razoavelmente bem - mas tinham mais fé nos amigos.
Do outro lado, os leitores também estavam bem confiantes na sua capacidade de distinguir emoções via mensagens online, especialmente se o remetente era um amigo.
Ambos estavam errados: tanto estranhos quanto amigos tiveram dificuldade para identificar as emoções alheias pela internet. Amigos, de fato, foram levemente mais certeiros, especialmente quando eram muito próximos do participante, mas nem por isso conseguiram interpretar claramente o tom do email.
Os leitores identificavam emoções negativas com um pouco mais de facilidade que as positivas. Mas tudo ficava bagunçado de novo quando avaliavam a intensidade. De acordo com os autores, as pessoas identificavam bem a raiva, mas não o quão raivoso estava o cara do outro lado. E pior: tendiam a superestimar as emoções que liam.
Sem expressões faciais, gestos ou tom de voz para informar melhor o leitor, alguém levemente incomodado pode soar furioso - e dessa Torre de Babel surge uma briga onde ninguém entende nada. E não adianta apelar para emojis - nem eles nem os pontos de exclamação melhoram a compreensão online, segundo a pesquisa.
Em resumo: os dois lados têm certeza de que estão entendendo e sendo entendidos, a frieza da plataforma não ajuda, todo mundo superestima o lado negativo do discurso alheio e não há espaço para sutilezas. É ou não é um belo retrato da internet?
(Da revista digital superinteressante)