abadiaemfoco

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Acessibilidade?


Com o advento da colocação de  asfalto em algumas ruas de Martinho Campos também veio, através da firma contratada, a construção de rampas nos passeios para a acessibilidade das pessoas portadoras de necessidades especiais. Uma inovação na maneira de trabalhar da empresa e da postura do governo municipal que também se preocupa com a causa.
Mas a acessibilidade deveria ocorrer em todas as ruas e , principalmente, em todos os prédios públicos. Nesse quesito a nossa querida "Badia" é uma cidade pouco amigável para os idosos e os portadores de necessidades especiais.
Basta ver a Prefeitura com suas escadas; o Fórum; o cartório eleitoral, o salão social da Igreja e as escolas. Somente se vislumbra uma boa estrutura de acesso na Escola Municipal Geraldo de Assis.
Embora as rampas tenham sido construídas a acessibilidade não foi adquirida completamente. Na maioria dos passeios onde as mesmas foram instaladas existem desníveis, árvores, entulhos, buracos, enfim alguma coisa que impede a locomoção total das pessoas com necessidades especiais.
Neste momento social importante que o Brasil vive, todos os governos (Federal, estadual e municipal) devem sim olhar para estes brasileiros que também votam e trabalham.
 Recentemente fora realizada aqui em Martinho Campos (Badia) a Conferência da pessoa com deficiência para promover melhorias das políticas públicas destinadas às pessoas com necessidades especiais. Mais de 50 cidades estão envolvidas (entre elas a Badia). As propostas serão levadas ao encontro estadual marcado para 19 a 21 de junho em Belo Horizonte.
Que as pessoas escolhidas para representarem a cidade realmente levem ideias que possam modificar as vidas destas pessoas para melhor. Que não seja apenas um apelo político, mas sim realizações que elevem o nome da cidade. Porque ideia todo mundo tem, mas colocar a mão na massa é para poucos.
O abadiaemfoco parabeniza a idealização destas rampas. Porém o caminho para Martinho Campos ser uma cidade com boa acessibilidade ainda é longo e árduo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário