abadiaemfoco

quarta-feira, 13 de março de 2013

Mãe Dinah! Traz a pessoa amada, ou não...

Uma notícia estampada hoje, num jornal de grande circulação, me chamou a atenção. Um indivíduo quis reconquistar o amor de uma mulher através de uma cartomante. Parece que num deu certo não, veja a reportagem:

Um servidor público federal que pagou R$ 2.500 a uma ‘consultora espiritual’ para tentar reconquistar o amor de uma mulher, mas não obteve o resultado esperado, promoveu uma quebradeira, na tarde de ontem, na sala da cartomante, em um prédio, na área Central de Belo Horizonte. A confusão envolveu até um policial civil, que seria amigo da consultora espiritual e estava no local de trabalho dela, no momento da confusão. O investigador chegou a disparar um tiro, para tentar conter a fúria do cliente.

Segundo a Polícia Militar (PM), W S B, 46, teria contratado um ‘serviço espiritual amoroso’ oferecido por Janaína Aparecida Yanowich, 43. Depois de pagar a quantia combinada, o servidor federal aguardou que o problema sentimental fosse resolvido, o que não aconteceu. Como o trabalho tinha dado errado, B. procurou a cartomante para exigir o dinheiro de volta e, diante da negativa de Janaína, teria feito ameaças à consultora. 

Com medo, a mulher pediu ajuda ao amigo policial. Segundo a PM, ontem, o investigador Wellington Lopes da Silva, 43, estava no consultório espiritual da amiga, quando B. apareceu e, transtornado, começou a quebrar os objetos da sala. 

O barulho no segundo andar do condomínio chamou a atenção de outros comerciantes e de moradores do edifício. Assustada, a secretária da cartomante chegou a se trancar no banheiro, para escapar do atrito entre o servidor federal e o policial civil. Outras pessoas também saíram do prédio correndo, amedrontadas. "Pensei que estava acontecendo um assalto e fiquei desesperada", disse uma mulher, que pediu para não ser identificada.

Disparo. O investigador alegou que tentou conter o cliente, mas também teria sido ameaçado e fez um disparo para evitar a agressão. Em pouco tempo, o prédio foi cercado por policiais militares, acionados por moradores e comerciantes do condomínio. "Me telefonaram e disseram que estava acontecendo uma confusão no andar das salas comerciais. Eu desci e encontrei o prédio tomado por policiais militares armados. Foi impressionante", contou a síndica Graciê Costa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário