abadiaemfoco

terça-feira, 15 de outubro de 2013

E viva os professores


Por debaixo da carteira dupla, de madeira e ferro, da extinta Escola Dalila Vieira, no pequeno município de Martinho Campos, retirei um pedaço de papel e fiz uma bola. Irrequieto e traiçoeiro atirei a bola de papel na cabeça do aluno que se sentava a minha frente. A professora, esperta que era, percebeu a cena e me deixou de castigo ao final da aula e fez com que eu copiasse, cem vezes, a frase “ devo respeitar meus colegas e os professores”. Ao fim da tarefa merecida ela ainda me disse: “Você ainda vai ser professor!”
Daquele tempo para cá muitos anos se passaram e, fielmente à inteligência de minha mestra, segui o caminho do magistério. Tornei-me um professor. Um educador como se diz hoje na linguagem normalista. Ajudei a formar grandes profissionais e partilhei meus conhecimentos a muitos educandos em mais de dezoito anos de profissão.
Hoje vejo a carreira do professor se esvaindo pela fechadura da porta da sala e indo embora junto às folhas que caem das árvores em época de outono. Sim, vejo um outono na vida do professor atual. Principalmente em se tratando do educador da escola pública: salas superlotadas, falta de respeito e educação de berço de parte dos alunos (diferente das singelas brincadeiras como a exemplificada no início do texto), condições miseráveis de trabalho em algumas escolas, sistemas de ensino viciados e uma grande distância dos ideais de Piaget. Isso sem contar nos salários que estão simplesmente ofendendo a dignidade do professor.
Respostas ao problema não existem e, em alguns extremos, levam os profissionais a se organizarem em greves e manifestações como estamos presenciando, com ênfase, no Rio de Janeiro. Mas, em todo o Brasil a situação é caótica, a educação vem andando aos trancos e barrancos e o professor cada vez mais desvalorizado pela política atual.
A realidade, porém é abrandada pela persistência destes batalhadores do conhecimento, dessa parcela significativa que move o ensino no país. São milhares de homens e mulheres a frente  das escolas públicas, lutando para educarem nossos filhos e engrandecerem ainda mais este nosso país. São movidos (a maioria) pela paixão ao magistério, pelo amor à educação. São pessoas sensíveis, porém fortes, que sabem de sua importância perante a sociedade.
Devemos, pois, olhar com carinho para nossos mestres e mestras e participar das escolhas políticas para que, num futuro próximo, os professores possam ser reconhecidos e tenham melhores condições de trabalho, além de salários dignos compatíveis com  o que fazem de melhor:  educar para a vida!

E viva os professores, além de um muito obrigado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário