abadiaemfoco

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Principal ingrediente da Tequila pode curar osteoporose

Arriba, abajo, al centro, adentro. Os tratamentos de osteoporose podem ter achado um novo aliado inesperado. Cientistas do Centro de Pesquisas e Estudos Avançados (Cinvestav), do México,  afirmam que o agave-azul, principal ingrediente na fabricação da tequila, apresentou resultados promissores no combate à doença que enfraquece os ossos.
Para a realização do estudo, os envolvidos retiraram o útero de ratas usadas como cobaias - de modo que a falta do órgão levasse os animais a desenvolverem osteoporose. A partir disso, os cientistas alimentaram parte dos animais com uma dieta rica em frutano de agave (polímero natural produzido na fotossíntese da planta).
Oito semanas depois os animais foram analisados e o resultado mostrou que as ratas alimentadas com o ingrediente estavam mais saudáveis. O consumo do ingrediente fez com os animais conseguissem absorver, com mais facilidade, minerais e a proteína osteocalcina - responsável pela produção de novos ossos. "Cobaias que consumiram os frutanos sintetizaram cerca de 50% mais a proteína. Além disso, o diâmetro dos ossos era maior, quando se comparava com os animais que não ingeriram as substâncias vindas do agave", afirmou Mercedes López, química responsável pela pesquisa.
De acordo com o estudo, isso aconteceria porque, quando os frutanos atingem o intestino grosso, as substâncias interagem com o microbioma do órgão e formam ácidos graxos voláteis. Esses, por sua vez, localizam e transportam os minerais para as células do corpo.
Apesar de parecer uma boa desculpa para separar o limão e o sal, é bom fazer isso com cuidado. A pesquisa não utilizou a tequila em si para realizar seus experimentos, apenas o agave-azul em sua condição de planta. Mas se  você quiser ignorar essa parte, talvez seja melhor focar nas tequilas produzidas no México: lá a lei manda que o álcool seja 100% proveniente do agave - aqui, é regulamentado que só 51% do teor etílico da bebida saia da planta. 
(Texto da revista digital superinteressante)

Nenhum comentário:

Postar um comentário